Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 25 de Abril de 2024
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
juba outra
O desafio complexo dos usuários de drogas em situação de rua
Data:13/12/2023 - Hora:22h48

A presença de usuários de drogas em situação de rua é um desafio social complexo que envolve considerações legais, de saúde pública e questões humanitárias. Este artigo explora os perigos percebidos para a sociedade decorrentes dessa realidade e os dilemas éticos e legais associados a ela. Nessa última semana após a desocupação e demolição de três imóveis que eram ocupados por usuários em Cáceres, trouxe à tona novamente várias cobranças ao poder público para que se tome providências quanto aos usuários que agora perambulam pelas ruas, principalmente na Cohab Velha. O que fazer? Ou melhor o que tem amparo legal para se fazer.  

Usuários nessa situação muitas vezes enfrentam condições precárias de saúde, aumentando os riscos de propagação de doenças transmissíveis. A falta de higiene e o compartilhamento de agulhas contribuem para a disseminação de infecções, representando um perigo para a saúde pública. 

A presença de indivíduos em situação de rua pode, em alguns casos, estar ligada a atividades criminosas, incluindo pequenos delitos e furtos. A sociedade percebe essas atividades como ameaças à segurança, gerando apreensões e demandas por intervenções mais rigorosas. 

Nesse contexto, a legislação enfrenta um dilema ao equilibrar a proteção da sociedade com os direitos individuais dos usuários de drogas. A imposição compulsória de tratamento pode entrar em conflito com princípios de autonomia e liberdade pessoal, levantando questões éticas e legais. 

É sabido que a legislação pode variar, mas geralmente, o direito à autonomia individual é respeitado, e forçar tratamento pode ser controverso. As leis muitas vezes se concentram em oferecer opções voluntárias de tratamento e apoio, com limitações para intervenções compulsórias. Em alguns casos, leis de saúde mental e bem-estar social podem ser aplicadas para garantir o acesso a serviços, mas equilibrar a intervenção estatal com os direitos individuais é um desafio constante. 

A assistência social que respeita a autonomia do usuário é fundamental, pois a internação compulsória sem o consentimento violaria diversos princípios legais e éticos. Primeiramente, a legislação em muitas jurisdições reconhece o direito à liberdade individual, e a internação involuntária só é permitida em circunstâncias estritamente definidas, geralmente relacionadas a riscos iminentes à vida do indivíduo ou de terceiros. 

Além disso, forçar a internação sem consentimento pode infringir princípios éticos fundamentais, como o respeito à dignidade humana e à autonomia. O usuário de drogas, mesmo em situação de rua, mantém seus direitos e deveria ter o direito de participar ativamente das decisões sobre sua própria vida, incluindo o tratamento. 

A abordagem coercitiva pode criar um ambiente de desconfiança entre os usuários de drogas e os profissionais de saúde, dificultando a construção de uma relação de confiança necessária para o sucesso do tratamento. Dessa forma, é mais eficaz buscar alternativas que incentivem a participação voluntária, promovendo programas de conscientização, oferecendo opções de tratamento acessíveis e respeitando o tempo necessário para que o indivíduo tome decisões sobre sua própria recuperação. 

Em última análise, a assistência social que respeita os direitos individuais não apenas está em conformidade com a lei, mas também reconhece a importância de abordagens centradas no paciente, visando promover a recuperação de maneira mais efetiva e respeitosa. 

Diante desses desafios, políticas públicas devem buscar abordagens equilibradas. Oferecer opções voluntárias de tratamento, programas de redução de danos e investir em moradias de transição podem ser estratégias eficazes para abordar as causas subjacentes dessa situação.




fonte: Da Redação



Não foi possível realizar a consulta ao banco de dados