Diretora administrativa: Rosane Michels
Domingo, 21 de Abril de 2024
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
juba outra
Câmara se torna espaço de debate da importância do povo negro na formação cultural e política de Các
Data:18/08/2023 - Hora:08h44
Câmara se torna espaço de debate da importância do povo negro na formação cultural e política de Các
CMC

A Câmara de Cáceres tem sido um espaço de debate sobre a importância do povo negro na formação cultural e política da cidade. Só nos últimos meses, a Casa de Leis protagonizou três eventos como forma de valorizar a negritude cacerense, que, normalmente, é invisibilizada pela história oficial. 

As ações ocorreram entre maio e julho. Em maio, a prefeita Eliene Liberato atendeu uma indicação da vereadora professora Mazéh Silva (PT), no sentido de incluir no calendário oficial de datas comemorativas do município, o Dia dos Povos de Matriz Africana, que passou a ser comemorado todo dia 21 de março.
Já em julho, as atividades se intensificaram em razão do movimento Julho das Pretas, que prevê uma série de atividades para valorizar o papel da mulher negra na sociedade cacerense. 

Assim, foram promovidas uma entrega de Moções de Aplausos às lideranças femininas do Movimento Negro; e audiência pública com os povos de religiões de matriz africana.
"As moções foram para as lideranças que conhecem de perto a realidade, as demandas das famílias nos bairros mais carentes, as dificuldades das mães solo... Na pandemia [de Convid-19], por exemplo, elas tiveram um papel fundamental, pois movimentaram cestas básicas, álcool em gel e máscaras. Por isso é um reconhecimento simbólico e mais do que justo", destaca a vereadora Mazéh, que, juntamente com o vereador Leandro Santos (UNIÃO),  foi a autora das moções entregues em 28 de julho.
Dois dias depois das homenagens, a Câmara de Cáceres - também sob a mediação da professora Mazéh - promoveu a reunião com os povos de religiões de matriz africana.
Na oportunidade, babalorixás e pais-de-santo da umbanda e do candomblé expuseram suas demandas, como os ataques sofridos por terreiros, devido à intolerância religiosa. Nesse sentido, salientou a importância do Poder Público fazer campanhas para orientar a população em geral, quanto ao respeito à diversidade religiosa. 

Outra questão debatida foi a necessidade de se regularizar os terreiros, para que esses espaços sejam isentos de certos tributos, a exemplo dos templos de religião cristã.
Sobre a audiência, Mazéh destacou ainda que foi um momento importante para Câmara, em que envolveu a participação de outros vereadores e vereadoras, que atenderam ao chamado da reunião, a exemplo de Luiz Landim (PV), o presidente da Casa de Leis; e dos vereadores Isaías Ribeiro (Cidadania), Manga Rosa (PSB), Flávio Negação, Rubens Macedo (PTB), Franco Valério e Vadeníria Bezerra (PSB). 

"Intolerância religiosa, racismo religioso. São questões abomináveis. Eu sou adventista de 7º dia e temos um respeito muito grande por todas as religiões. Estamos aqui à disposição, naquilo que tem que ser respeitado", disse o vereador Isaías durante a audiência.
Para Mazéh, a fala do colega ilustra a postura dos parlamentares no sentido de acolher o povo de santo. 

"Na audiência, os sacerdotes vieram com toda vestimenta das religiões de matriz africana: batas, turbantes, pulseiras e colares. Isso ainda causa certa estranheza nos demais parlamentares. Mas a ideia é, cada vez mais, quebrar isso. É fazer entender que algumas
demandas precisam ser olhadas com mais carinho, como o fato de que terreiros precisam ser vistos como templos religiosos, da mesma forma que as igrejas evangélicas são vistas", ressaltou a parlamentar.
  


 

Sacerdote de religião de matriz africana, Pai Ícaro, fala da importância de isentar os terreiros de tributos, assim como ocorre com os templos religiosos cristãos (Foto: CMC)


Vereadora professora Mazéh Silva (Foto: CMC)

 Vereador Isaías Ribeiro (Foto: CMC)
 

Lideranças femininas negras recebem Moção de Aplausos na Câmara de Cáceres (Foto: CMC) 

 



fonte: Por Marcio Camilo/Sec Imp. Câmara de Cáceres



Não foi possível realizar a consulta ao banco de dados