Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 25 de Abril de 2024
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
juba outra
Pra Salvar Vidas
Data:01/02/2022 - Hora:09h51
Pra Salvar Vidas
Reprodução Web

Os números não mentem jamais, ultimamente, funestos e a imprensa não pode se calar, diante da atual situação pandêmica em Cáceres, a exemplo de demais cidades do patropi, com a escalada da nova onda da Covid-19. Em nossa cidade são quase 500 óbitos registrados, mais de 200 diagnósticos diários positivos, com 14.248 mil casos oficializados e uma média de 80 por cento de leitos de UTI ocupados! Convenhamos, mais que motivos para que a prefeita Eliene Dias decida se pela intensificação da luta contra a proliferação da terrível e maldita pandemia, baixando novo decreto com medidas sanitárias afim de se conter a disseminação do vírus nos locais típicos de maior fluxo de pessoas. A medida visa evitar eventualidades de um novo Lockdown com prejuízos a economia local, mas não afrouxa a prevenção, haja vista a volta de exigência de álcool gel e uso de aferição de temperatura corporal em mercados, bancos, lotéricas e demais comércios da city. E, claro, a exigência do uso de máscaras das pessoas nas ruas, bem como frear as reuniões coletivas, festas, etc.  Sabemos que ainda existe muita gente contrária a estas medidas salubres e necessárias, não apenas em Cáceres mas em várias localidades brasileiras, são os imbecis do contra. Entendemos que se a prefeita Eliene assim age, é devido ao nocivo comodismo dos ignorantes, alguns, alvo de Fake-News dos mal intencionados, ou por burrice mesmo, com as devidas escusas aos equinos muares. Estes pacóvios acham que a Covid-19 acabou, que a Ômicron é uma gripezinha que se cura com chá de camomila e melhoral e se recusam a usar máscaras. Quando muito, pelas mãos tipo bolsinha de trottoir ou no queixo, como em caxumba. No comércio, os aferidores de pressão foram pro lixo do esquecimento, o álcool gel deu lugar ao comum de 46 graus que não mata nem barata e nas ruas e praças os grupelhos de gentalha, voltaram aos ajuntamentos, aos churrasquinhos de filé miau e bate copos nos botecos de arroto e mesmo em clubes, pousadas, etc, ambientes propícios para a contaminação e proliferação do maldito vírus. 

Como provam os números, é a estupidez humana de alguns, por sinal, muitos, pagando caro pelo excesso de confiança ou idiotice mesmo, com o gravame de contaminar o próximo. Diga-se de passagem, agravante criminosa, consoante preconiza o vigente Código Penal. In-verbis, artigo 131: praticar com o fim de transmitir a outrem moléstia grave de que está contaminado, ato capaz de produzir contágio, pena de 1 a 4 anos de reclusão e multa, e, ou detenção de 3 meses a um ano, se o fato não constituir fato mais grave. Aliás, o Código Penal tem pelo menos 4 dispositivos que punem atitudes relacionadas ao desrespeito a determinação de isolamento aplicado a pacientes diagnosticados com o coronavírus. Dúvidas, é só consultar os artigos 267, 268, 131 e 132 do referido Codex. Portanto, analisando a luz da lei, da ciência e do bom senso, a atitude da prefeita Eliene em Cáceres, até que é condescendente, exigindo apenas o cumprimento de medidas sanitárias de prevenção ao coronavírus e suas cepas e variantes nocivas, por vezes, fatais. E tome vacina, moçada, que se não vacinar, o bicho pega e não adianta chorar. Temos dito. 




fonte: Da Redação



Não foi possível realizar a consulta ao banco de dados