Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 22 de Junho de 2017
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Licitando a Questão
Data:20/05/2015 - Hora:07h05
Ontem estávamos como sempre passando os olhos pelo site do amigo Gonzaga, o JornalOeste, por sinal, sempre atualizado, e nos veio a baila um assunto que já havíamos discutido antes, quer como jornalista em comentários alhures ou quando advogávamos em São Paulo na área administrativa, a questão da trôpega lei 8666/93, por sinal, defasada especialmente em seu artigo 24 e incisos seguintes. No caso em tela que nos chamou a atenção, o prefeito municipal de Cáceres Francis Maris Cruz, que leva a vantagem como gestor público pela sua experiência empresarial, remeteu à Câmara de vereadores, um projete de Lei elevando de R$ 8 mil reais para R$ 29 mil reais o teto para licitações na modalidade carta convite. O gestor se apóia em um parecer de 2014 do Tribunal de Contas do Estado, de que município ou o Estado pode definir por meio de lei novos valores limites ou promover a atualização dos valores limites atribuídos, para cada uma das modalidades de licitações, tendo o IGP-M como indexador oficial. Claro, que como sempre, a bancada do contra se apóia em outra corrente, seja para fazer media com os descontentes, quiçá por simples oposição ou desconhecimento jurídico da matéria, ao levantar duvidas sobre a legalidade da proposta, inclusive convocando Audiência Publica para discutir a matéria com a sociedade. Não se discute a questão de competência, que para promover alterações na Lei 8666/93, a atrasada com as delais leis, a das licitações é do Congresso Nacional, mas nada obsta que amparado por parecer do TCE, o prefeito leve avante sua empreitada, que não fala em alterar a lei federal. Pelo que entendemos, Francis tenta sim, com respaldo TCE, referendada pelo legislativo, uma atualização dos valores limites atribuídos para cada uma das modalidades de licitações, tendo o IGP-M como indexador oficial. Cediço, que tramita no Senado Federal, um Projeto de Emenda Constitucional que modifica a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, propondo alterar, no artigo 24, incisos I e II da referida lei, os limites de dispensa de licitação para obras e serviços, com limite vinculado a 10% do valor do convite, ou seja, R$ 8 mil para compras e R$ 15 mil para obras. Explícito que toda contratação por dispensa de licitação, sobretudo aquelas consignadas nos incisos I e II, são de caráter excepcional e de pequeno valor e se a compra revelar-se de maior monta e, ainda, previsível, o procedimento adequado deve ser o da realização de licitação. Dois motivos nos levam a questionar quem contradiz o jogo limpo de Francis, primeiro, que não se pode adivinhar quando o tal PEC será aprovado e sancionado, (quem legisla sabe que no patropi, tem PEC viajando há décadas por meandros estranhos sem previsão de chegada) e segundo, a defasagem de valores de uma lei sancionada há 22 anos, não dá. Quem está no meio, sabe perfeitamente que a defasagem dos valores do art. 24, incisos I e II, é visível, reduzindo a liberdade que os gestores públicos têm para executar pequenos gastos e fazer funcionar as atividades da máquina pública. Exemplos de atalhos não para burlar a lei, mas para sua aplicabilidade racional baseado nos índices de correção monetária, temos em Campos de Júlio, onde o executivo em consulta ao TCE-MT, obteve a despeito do despacho in-contrário sensu, uma brecha consoante ao art. 120 da Lei 8666, entendendo que os chefes do Poder Executivo poderão atualizar monetariamente os valores fixados nesta lei com base no indexador e na periodicidade nacionalmente fixados, apontando claramente que os valores podem ser alterados pelo Poder Executivo sem a dependência da União. É briga? Claro que é, mas como destacou ao executivo de Campos de Julio o Conselheiro-substituto Luiz Carlos Pereira, além dos valores poderem ser alterados pelo Poder Executivo sem a dependência da União, uma administração pública não pode ficar engessada esperando a boa vontade dos outros poderes para realizar os serviços públicos.


fonte: Da Redação



anuncie AREEIRA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Um click para a gatinha Nicole Brumati Rodrigues Soares, filha do casal Pedro e Rosimar, que encanta a todos com seu jeitinho sapeca de ser. Puro charme e simpatia. Beijinhos!!!!!! Parabenizamos toda a equipe da Prefeitura Municipal de Cáceres, através da SICMATUR que não mediram esforços para que mais um ano o Festival de Pesca fosse sucesso total. Organização, entretenimento, atrações e show de pescaria foi o que se viu durante os cinco dias de festa. Em nome do Prefeito Francis Maris, da Vice-Prefeita Eliene Liberato, do Secretário Junior Cezar Trindade e do guia turístico Claudionor Duarte, parabenizamos a todos que trabalharam direta ou indiretamente para o sucesso do FIPe. Nossos aplausos!!! Festejando data nova a simpática atendente do Laboratório Líder, Vanderleia Rodrigues, a quem desejamos muita saúde e prosperidades. Que Deus lhe conceda muitas vitórias nesse novo ano de vida.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados