Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2021
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Conta Outra!
Data:24/11/2020 - Hora:07h13
Conta Outra!
Reprodução Web

No país do faz de conta, a gente Conta Outra, faz  a conta e ela, não bate, exceto na cabeça e bolso do consumidor, nós, que sempre pagamos a conta, que não é faz de conta, e sim, o suor do trabalhador, sem índice se vida digna no reino tupiniquim. O tema nos voltou à baila, com a galopante escalada do custo de vida nos últimos meses no patropi, sem bônus ao brasileiro de classe média ou pobre, encurralados num beco sem saída. E a desculpa esfarrapada dos grandes ainda é a pandemia, que se realmente causou parte desta tragédia direcionada, não chegou aos empoderados do governo e seus apaniguados. Veja o leitor que no último semestre, segundo dados fidedignos do IBGE, o básico da mesa do consumidor foi às alturas do insuportável. O óleo de soja subiu 65,8%; o arroz, 51,72%; feijão, 21,15%; o litro de leite, 32,75%; a farinha de trigo do pão nosso de cada dia, 13,76%; a carne, variando do boi ao porco e frango, de 13 a 45% e o tal INPC, o Índice Nacional de Preço ao Consumidor previsto para este ano, é de apena 4,10%, a taxa Selic, o fake percentual de 2,29% com uma inflação de tão somente 3,02%. Impossível nesta salada defasada de números, a gente acreditar que moramos num país sério, que ainda se pode confiar nos governantes centrais. Veja que enquanto se fala em crise na hora de dividir o pão, deveres e direitos, o PIB (produto interno bruto), sobretudo do agronegócio, cuja produção é básica da mesa do consumidor, nada justifica como tal. Dados da CNA mostram uma safra de grãos 2020/2021, de 268 milhões e 700 mil toneladas em soja, milho, arroz e feijão, ficando difícil explicar a teoria da oferta e procura de Thomas Maltus, exceto, a tradução de país rico e povo pobre. O chocante é que este povo humilde trabalhador, paga a conta que não soma em bônus a quem de direito. Nessa geografia da fome diversa daquela de Josué de Castro na década de 40, os refugiados da pandemia, a expiatória da crise, desempregados, desempresários, assalariados e remediados se somam no pagar a conta, enquanto os grandes empresários e poderosos governantes ampliam seus impérios, onde quiçá, a onde a pandemia chegou, mas como avalista de seus lucros. Verdade, que eles não quebraram, estão imunes aos efeitos da nossa crise, já que repassaram na conta do povo os valores diferenciados da falha política econômica patropi, caolha ante a oblíqua visão asiática. In- fine, com o dólar inflamável nos combustíveis e importados, a conta do pequeno e médio trabalhador nunca vai bater ou fechar mesmo. E a gente nos Peg-Pags da vida, via aumentos e impostos sempre acaba pagando ela, a Conta. 




fonte: Da Redação



AREEIRA rotary JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
SEcretaria Saúde
rotary alimento
High Society
Parabenizamos a linda Valentina Figueiredo que foi aprovada no vestibular de medicina da Unic. Merecidamente você conseguiu! E hoje os aplausos são todos para você! Parabéns! A força de vontade e a persistência trouxeram você a esse momento tão especial. Temos a convicção que essa conquista é o início de muitas outras...Que essa nova fase seja repleta de aprendizado e vitórias.  Um brinde ao casal Amarildo Merotti e Adriana Maciel Mendes, que celebraram mais um ano de casados, mais um ano de vida ungida pelas mãos de Deus. Desejamos que a felicidade continue fazendo parte do seu enlace matrimonial e que mais anos abençoados se possam acrescentar a todos aqueles que já contaram juntos. Um abraço forte a esse casal que tem fé no amor. Lançado o livro “Cáceres, Passado e presente de uma geografia poética” que proporciona ao leitor a arte em forma de poesia escrito pela ilustre cacerense Olga Castrillon Mendes, revelando a beleza histórica, cultural e religiosa da cidade com imagens capturadas pelas lentes do fotógrafo Rai Reis.  O livro valoriza e difundi a Princesinha, reconhecendo a importância e relevância do conjunto arquitetônico existente, como também o conjunto paisagístico da baía do Malheiros, rio Paraguai e Pantanal. Aplausos pelo belíssimo trabalho que teve apoio da ALMT, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer e Prefeitura Municipal de Cáceres. Fica a dica de leitura.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados