Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2021
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Faz de Contas
Data:29/09/2020 - Hora:07h38
Faz de Contas
Reprodução Web

O saco sem fundos do governo vem apelando pra tudo, já foi o abono do PIS, o seguro defeso, o salário educação, o reajuste dos aposentados, o congelamento do salário do funcionalismo público e agora cresce o olho gordo na contribuição patronal, para o sistema S, como salvação e recuperação da economia. Taxam isso (legal o taxa, né?, lembra os impostos) de Reforma Tributária, quando na verdade, trocam 6 por meia dúzia, que não vai aumentar a arrecadação, (duvidamos muito) pra que mexer a colher de pau no Faz de Contas? Se estamos num tsunami econômico da pandemia, provado está que o único caminho viável para a reativação da economia, seria a elevação da renda e do consumo, desde que buscando mais empregos, o que se consegue com investimentos. Desonerar a folha de pagamento, já ficou comprovado que não funciona, não deu certo no governo Dilma, mesmo porque os grandes empresários empregadores sonegadores embolsaram o quantum e manipularam o percentual bruto da receita da empresa na troca do pacote, lesando duplamente o fisco. Ao embutir a desoneração como lucro, não geraram empregos e sim o patrimônio em detrimento do país. Nesta politicagem Faz de Conta, a grande preocupação do governo é tirar do futuro desempresário e do trabalhador, mais grana para engordar o saco sem fundo do poder. Pouco se fala na escalada do desemprego, dos 14 milhões de braços cruzados (14%) da força de trabalho. Enquanto isso, o IGPM registra 13% de reajuste durante a pandemia, com uma Selic de 2,9% ano. Segundo a FGV, o IGPM julho (2,37%), agosto, (4,57%); as matérias primas do setor agrícola salta de 8,42% no ano, 3,56% só em agosto, no atacado o custo subiu de  3,15% para 6,36% ao mês e o Faz de Conta insiste nos 3,29% de inflação em 2020. Resumindo que ninguém é idiota, arroz, feijão, óleo, açúcar, o básico mata-fome,  ferveu na panela do consumidor em mais de 30% de março a agosto. A desculpa esfarrapada dos economeses do governo é que esta carestia na cesta básica, não influi no produto final devido ao limite do poder de compra e consumo. Conversa fiada, pois este desequilíbrio social, tende, no caso do possível gerador de empregos, aquele empresário mediano e sério, a anulação do lucro, arrocho no custo de pessoal e consequente desmonte das estruturas da produção. Resultado desta política tributária falha e descontrolada, mais de 1/4 das empresas do setor de serviços em demitindo milhares de empregados.   Então, amigos, conversa pra boi dormir, não funciona, ou se faz uma reforma tributária equânime, sem lesionar o pequeno e o médio empregador, ou a vaca acaba de ir pro brejo. E não adianta culpar a Covid-19 pela economia entubada na Pátria Amarga, Bom-Dia, será? 




fonte: Da Redação



anuncie JBA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
sicredi
zoom
rotary alimento
High Society
Parabenizamos a linda Valentina Figueiredo que foi aprovada no vestibular de medicina da Unic. Merecidamente você conseguiu! E hoje os aplausos são todos para você! Parabéns! A força de vontade e a persistência trouxeram você a esse momento tão especial. Temos a convicção que essa conquista é o início de muitas outras...Que essa nova fase seja repleta de aprendizado e vitórias.  Um brinde ao casal Amarildo Merotti e Adriana Maciel Mendes, que celebraram mais um ano de casados, mais um ano de vida ungida pelas mãos de Deus. Desejamos que a felicidade continue fazendo parte do seu enlace matrimonial e que mais anos abençoados se possam acrescentar a todos aqueles que já contaram juntos. Um abraço forte a esse casal que tem fé no amor. Lançado o livro “Cáceres, Passado e presente de uma geografia poética” que proporciona ao leitor a arte em forma de poesia escrito pela ilustre cacerense Olga Castrillon Mendes, revelando a beleza histórica, cultural e religiosa da cidade com imagens capturadas pelas lentes do fotógrafo Rai Reis.  O livro valoriza e difundi a Princesinha, reconhecendo a importância e relevância do conjunto arquitetônico existente, como também o conjunto paisagístico da baía do Malheiros, rio Paraguai e Pantanal. Aplausos pelo belíssimo trabalho que teve apoio da ALMT, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer e Prefeitura Municipal de Cáceres. Fica a dica de leitura.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados