Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2021
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Virose Econômica
Data:09/06/2020 - Hora:08h30
Virose Econômica
Reprodução Web

 Desde que Vicente Ianez Pínzon, navegador espanhol de Palas aportou no dia 20 de janeiro de 1500 no litoral da hoje Mucuripe no Ceará, antecipando-se a Cabral, muita água, e suja, diga-se de passagem, tem passado ao longo de mais de cinco séculos no patropi, resultando nas gerações sem etnia, esta nossa verdadeira colcha de retalhos de oportunistas. É comum, a gente ouvir, que o Brasil é um país privilegiado, já dizia o Ben que virou Jor, o Jorge, que somos abençoados por Deus, aleluia! Realmente, não temos vulcões, guerras, terremotos, mas em compensação, infelizmente e com certeza e cerveja, pela falta de etnia, o país conta em sua maioria, com uma população formada por adeptos da lei de Gerson, os espertalhões, somando-se aos oportunistas, lesa-pátria, marginais, no sentido estrito da palavra. Exceto, acreditamos, aqueles 30% de gente boa, honesta, sincera e patriota, os demais 70%, independente de cor, credo, estado civil, condição financeira e os cambaus, engrossam o cordão da safadeza. Quiçá, o advento da Covid-19, deve ter ocorrido para revelar o quanto nossa pátria amarga é frágil. Economicamente, mesmo com a oscilação do real, nossa moeda neste período da praga, já foi desvalorizada em 30% frente ao dólar norte-americano; 1,14% ao yuan Chinês; 2,22% ao euro; 6,26% ao dólar australiano e canadense; 6,34% ao peso chileno; 7,16% para a libra esterlina; 11,84% ao peso argentino; 13,69% ao peso uruguaio; 13,83% ao peso colombiano e18,67% ao peso mexicano. Alguma dúvida quanto a miserabilidade da potência tupiniquim? Num paralelo com os pandemônios da pandemia, concluímos que a desvalorização do real furado, moeda auriverde, com bilhões consignados aos marajás sob. a desculpa de evitar o desemprego, das migalhas ofertadas a título de empréstimo aos pequenos e médios empresários, reflete em números na escalada da Covid-19. Veja o leitor, que enquanto pelaqui o índice funesto da virose é de 66 mortes por milhão de habitantes, na Argentina, são apenas 8; em Cuba, 7; no Uruguai, 6; em El-Salvador, 3; no Haiti, 2 e no Paraguai, Nicarágua e Venezuela, inferiores a 2. Ressalte-se, dados per-capita. Se dizem, somos uma potência continental sul-americana, algo deve estar errado na conjuntura de aquém-mar, afinal, os números não mentem. Algo a mudar? Obviamente que sim e a partir das células das unidades da federação, os municípios, a partir da eleição de vereadores, futuros pretensos deputados, cabos eleitorais de governadores, possíveis presidente. Hora de nesta quarentena, pensar nisso, na chance se reparar erros passados, redimindo-se nas urnas no pleito municipal, fritando ali os ovos de serpentes futuras. Bom Dia!

 

 




fonte: Da Redação



rotary anuncie JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
sicredi
Multivida
rotary alimento
High Society
Parabenizamos a linda Valentina Figueiredo que foi aprovada no vestibular de medicina da Unic. Merecidamente você conseguiu! E hoje os aplausos são todos para você! Parabéns! A força de vontade e a persistência trouxeram você a esse momento tão especial. Temos a convicção que essa conquista é o início de muitas outras...Que essa nova fase seja repleta de aprendizado e vitórias.  Um brinde ao casal Amarildo Merotti e Adriana Maciel Mendes, que celebraram mais um ano de casados, mais um ano de vida ungida pelas mãos de Deus. Desejamos que a felicidade continue fazendo parte do seu enlace matrimonial e que mais anos abençoados se possam acrescentar a todos aqueles que já contaram juntos. Um abraço forte a esse casal que tem fé no amor. Lançado o livro “Cáceres, Passado e presente de uma geografia poética” que proporciona ao leitor a arte em forma de poesia escrito pela ilustre cacerense Olga Castrillon Mendes, revelando a beleza histórica, cultural e religiosa da cidade com imagens capturadas pelas lentes do fotógrafo Rai Reis.  O livro valoriza e difundi a Princesinha, reconhecendo a importância e relevância do conjunto arquitetônico existente, como também o conjunto paisagístico da baía do Malheiros, rio Paraguai e Pantanal. Aplausos pelo belíssimo trabalho que teve apoio da ALMT, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer e Prefeitura Municipal de Cáceres. Fica a dica de leitura.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados