Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 21 de Janeiro de 2021
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
A Onça e a Capivara
Data:17/11/2019 - Hora:07h01
A Onça e a Capivara
Reprodução Web

De época em época, soam as trombetas, rufam os tambores, a turba ignara se curva, diz amém e acredita, em mais um novo milagre, que vai fazer e acontecer, acabar com a miséria, o desemprego, que o sol da liberdade brilhou em raios fúlgidos e o povo heroico com aquele brado retumbante, pode ficar tranquilo, sem tremer ou trema, que a bonança chegou, heureca, aleluia! Pois é, Mané, tem gente que acredita, apanha mas acredita, em mais uma cruzada contra o desemprego, patrões de mãos dadas com empregados dividindo lucros, pois o prejuízo é coisa do passado. Enquanto isso, no horizonte desmascara-se a farsa, o lobo devora o cordeiro, ou a onça, mata a capivara na praia do Daveron, mais ou menos isso, que milagre, só Deus, e mesmo assim, pra quem merece. Este preâmbulo se fez necessário para ilustrar a nova promessa política de milagre do primeiro emprego, apregoada pelo governo num replay do programa criado em outubro de 2003, pela lei 10.748 que há 16 anos, criava o tal, cuja meta naqueles idos, era 500 mil novos empregos e para estimular a participação de empresários, o governo pagaria parte dos salários durante 12 meses para as pequenas e médias empresas e blá e blá, o negócio não foi longe e ninguém mais tocou no assunto, pelo menos até ontem, né, Mané? Memória curta, volta a promessa de São Nunca com outro nome, Verde e Amarelo, 16 anos depois e as falácias, as mesmas com mixagens modernas, segundo dizem, para pessoas entre 18 e 29 anos, mesmo após o senado rejeitar a nefanda regra do trabalho aos domingos, durante a votação da MP da liberdade econômica. Falam em criar milhares de empregos, quando na verdade, sem pessimismo algum, o programa em tons de cinza camuflados de auriverde, não passa de um estagião: quem der o primeiro emprego a alguém entre 18 e 29 anos não paga a contribuição previdenciária patronal, com certeza antevendo que esta garotada não vai se aposentar nunca! Num segundo item, a recolha do FGTS será de apenas 2% durante apenas dois anos, depois, cessa recolha, o benefício e o desempregado, vai prá fila da amargura com 48% do salário de FGTS, que maravilha, não é mesmo? Detalhes que a mídia bem paga não esclarece, mas que marca o programa fadado ao fracasso, pelo menos, do trabalhador. Se o tal Primeiro Emprego de 2003 foi por água abaixo, durou menos de dois anos, este, amigos, não deve prosperar, exceto, se empurrado numa canetada na calada da noite, com autógrafos da maioria dos ditos representantes do povo, nossos empregados no congresso nacional, onerando em direitos, empregados e empregadores, sobretudo, os pequenos e médios empresários. Concluindo, não se criam milhões de empregos com promessas e canetadas, por decretos e ou MPs, haja vista, que o efeito do desemprego, especialmente para os jovens brasileiros não vai se dar em curto prazo.  E, para o futuro, o quadro é bastante preocupante, segundo os economistas, porque os jovens desempregados de hoje não vão ter qualificação e experiência suficientes para entrar no mercado de trabalho, caso a economia volte a crescer, outra dúvida, segundo o economista Cosmo Donato, pois o Brasil não está dando oportunidade para uma mão de obra, da qual ela vai depender no futuro. E,  jovens menos qualificados, comprometem a produtividade, diminuindo ainda mais o potencial de crescimento da economia, o que produz uma pressão adicional para as contas públicas. Aliás, uma das falhas do Primeiro Emprego copiado 16 anos após, resulta na mesma falha: falta de qualificação profissional, que não se resolve com milagres ditos econômicos, como o nosso.




fonte: Da Redação



anuncie AREEIRA rotary
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
sicredi
SEcretaria Saúde
High Society
Parabenizamos a linda Valentina Figueiredo que foi aprovada no vestibular de medicina da Unic. Merecidamente você conseguiu! E hoje os aplausos são todos para você! Parabéns! A força de vontade e a persistência trouxeram você a esse momento tão especial. Temos a convicção que essa conquista é o início de muitas outras...Que essa nova fase seja repleta de aprendizado e vitórias.  Um brinde ao casal Amarildo Merotti e Adriana Maciel Mendes, que celebraram mais um ano de casados, mais um ano de vida ungida pelas mãos de Deus. Desejamos que a felicidade continue fazendo parte do seu enlace matrimonial e que mais anos abençoados se possam acrescentar a todos aqueles que já contaram juntos. Um abraço forte a esse casal que tem fé no amor. Lançado o livro “Cáceres, Passado e presente de uma geografia poética” que proporciona ao leitor a arte em forma de poesia escrito pela ilustre cacerense Olga Castrillon Mendes, revelando a beleza histórica, cultural e religiosa da cidade com imagens capturadas pelas lentes do fotógrafo Rai Reis.  O livro valoriza e difundi a Princesinha, reconhecendo a importância e relevância do conjunto arquitetônico existente, como também o conjunto paisagístico da baía do Malheiros, rio Paraguai e Pantanal. Aplausos pelo belíssimo trabalho que teve apoio da ALMT, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer e Prefeitura Municipal de Cáceres. Fica a dica de leitura.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados