Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
A filha do pescador e o Caipora
Data:09/10/2019 - Hora:06h38

Como diz o ditado, Quem conta um conto... aumenta um ponto!, e isso vale não apenas para aquela fofoca que a sua mãe ouve no salão de cabeleireiro, mas especialmente para as histórias passadas de geração para geração. Assim nascem esses os causos e mitos, que são uma das maiores heranças da nossa tradição popular. Confira aqui o folclore da Região Centro-Oestes. Hoje vou contar para vocês a história da filha do pescador.

Numa aldeia ribeirinha, vivia um pescador com a mulher e a filha, numa casinha muito pobre. Seu cachorrinho preto, Carvão, sempre vinha fazer festinhas quando o dono chegava da pescaria. No entanto, os peixes começaram a sumir do rio, e a pescaria foi ficando cada vez mais difícil. Desconsolado, o pescador perguntou para o rio: “Por que você está fazendo isso com a gente?” Mas quem respondeu foi um peixão gigante, e que disse que daria todos os peixes que ele quisesse, mas sob uma condição: o pescador teria que entregar a ele quem viesse primeiro ao seu encontro quando voltasse para casa.

O pescador pensou no cachorrinho e ficou com o coração apertado, mas não poderia deixar a família passar fome. Mas adivinha quem veio receber o homem no fim daquele dia? Sua filha! O peixe cumpriu sua parte do trato e os pescadores não davam mais conta de tanta pescaria boa. Mas o pescador não tinha coragem de entregar a filha, e resolveu deixar por isso mesmo. Os anos foram se passando, o pescador tornou-se rico com tanta fartura. Um belo dia, o rio ficou tão furioso que transbordou e invadiu a casa do pescador, que acabou contando a verdade para a filha. Para evitar que a aldeia toda fosse destruída, a moça foi morar com o peixe. Será que eles foram felizes para sempre? Não se sabe, apenas que neste novo causo,  Nhô Belisário morava à beira do rio e fazia cestos para vender. Certa vez, recebeu uma encomenda de um balaio bem grandão, e só conseguiu terminar o serviço quando já tinha anoitecido. Ao andar pela mata para entregar o balaião, Nhô Belisário deu de cara com o Caipora, um preto velho andando devagarinho, apoiado a um cajado. Ele está sempre atrás de um pedaço de fumo de corda e, quem não tem, é “encaiporado” e passa a viver bem azarado. Com medo, Nhô Belisário se escondeu dentro do balaio! O Caipora foi embora e o homem foi entregar o cesto. Ufa! Mas aprendeu sua lição: nunca saia para andar na mata à noite sem um pedacinho de fumo de corda para o Caipora. Eu, hein! Até algum dia, que eu volto com novos causos. ***___ Ana Paula Corradini, é jornalista e escritora, folclorista.




fonte: Ana Paula Corradini



AREEIRA anuncie JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Brinde ao casal Xonei e Selma Ourives pela passagem de mais um aniversário de casamento. Durante esses 20 anos de caminhada a dois muitos obstáculos foram vencidos, muitas alegrias e tristezas foram compartilhadas, mas em todos os momentos o amor foi o alicerce. Parabéns e que Deus abençoe sempre vocês!!! Abrilhantando nossa High Society a jurista Cibelia Maria Lente que recebeu homenagem pelo Jubilei de Prata da Faculdade de Direito da Unemat. Conhecedores que somos da sua dedicação e amor a profissão congratulamos desse reconhecimento. Com ligeiro atraso, mas em tempo de felicitar  o jornalista Luizmar Faquini, que ontem marcou mais um golaço no placar da vida e festejou a data envolto ao carinho dos colegas de trabalho na Rádio Difusora, dos familiares e rol de amigos. Hoje nós da família do Jornal Correio Cacerense dedicamos esse espaço a você, rogando ao Criador muitas bênçãos de saúde, paz e felicidades. Que essa data se repita por muitos anos. Grande abraço!!!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados