Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 03 de Agosto de 2020
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
A saga da Princesa que nasceu Rainha
Data:04/10/2019 - Hora:12h53

Não poderíamos iniciar o relato da saga da Princesa (do Rio Paraguai) que virou Rainha, (D. Maria I),  sem mencionar o bandeirante Luís de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres, cujas viagens pelo sertão de Mato Grosso foram documentadas ao Rei de Portugal, mapeando um caminho diferente de Rodrigo César de Menezes, António Rolim de Moura, João Pedro da Câmara e Luís Pinto de Souza, alcançando o território bruto, pelo centro do Brasil, e, enquanto todos os seus antecessores tinham feito percursos fluviais, o seu seria praticamente todo por terra. O caminho escolhido para a viagem conformava-se como uma opção estratégica, como aliás já havia ocorrido no caso dos seus antecessores. Luís de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres, como novo governador tomou posse no dia 13 de dezembro de 1772  e antes de partir para o Mato Grosso, em agosto de 1771, recebeu em Lisboa, da mão de Martinho de Melo e Castro, as instruções gerais relativas ao governo da capitania. Tais instruções eram, na verdade, um conjunto de 15 cartas que tinham sido passadas aos seus antecessores, em diferentes ocasiões, entre 1757 e 1767. No seu caso, a opção envolvia uma revisão e um aprofundamento das políticas até então seguidas no Mato Grosso, que Luís de Albuquerque iria progressivamente implementar ao longo dos 17 anos da sua administração, entre 1772 e 1789. Neste lapso temporal, ele fundou Vila Maria do Paraguai, em 6 de outubro de 1778, em homenagem à Rainha D. Maria I,  situada a cinco léguas do marco do Jauru, instalado pela partida demarcadora de 1754. No início, o povoado de Cáceres não passava de uma aldeia, centrada em torno da igrejinha de São Luiz de França. O catolicismo e a bravura de um monarca francês levaram os fundadores de cidade a homenageá-lo, transformando-o em padroeiro da recém criada povoação. As razões para a fundação do povoado foram a necessidade de defesa e incremento da fronteira sudoeste de Mato Grosso; a comunicação entre Vila Bela da Santíssima Trindade e Cuiabá e, pelo rio Paraguai, com a capitania de São Paulo; e a fertilidade do solo no local, com abundantes recursos hídricos. Em 1874 foi elevada à categoria de cidade, com o nome de São Luiz de Cáceres, em homenagem ao padroeiro e ao fundador da cidade. Em 1938, o município passou a se chamar apenas Cáceres. Após este resumo histórico da Princesa que nasceu Rainha, fica aqui nossa saudação a todos os cacerenses, natos e de coração, como este editor, pelos 241 anos da fundação desta estrela fronteiriça, Cáceres!




fonte: Da Redação



anuncie aqui JBA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
sicredi
SEcretaria Saúde
High Society
Celebraram 55 anos de união pautada no amor, companheirismo e respeito o casal Antônio Mendes e Creuza, a quem enviamos nosso Destaque Especial do dia com votos de felicidades, rogando ao Criador que a chama desse amor continue brilhando e que a alegria se renove a cada dia fortalecendo essa linda união. Nosso brinde a vocês! Tim Tim!!! Uma semana regada de coisas boas a Luciane Castrillon por mais um ano de vida, ela que festejou no aconchego do lar, recebendo o carinho especial da família e rol de amigos.  Que essa data possa ser celebrada sempre com saúde, amor e realizações. Felicidades mil!  Felicitações a linda Vivian Rondon pela passagem do seu natalício. Que esse novo ano seja repleto de alegrias, saúde e prosperidades ao lado de sua família. Parabéns!!!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados