Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 27 de Maio de 2020
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Paga menos, quem ganha mais
Data:27/09/2019 - Hora:08h25

A desigualdade social no Brasil decorre de um injusto sistema de tributação, no qual paga-se mais quem recebe menos, Dentre os tantos problemas que esse sistema promove, tem-se: a corrupção, a má distribuição de renda e a ausência de investimentos em áreas sociais. A forma de arrecadação de receitas no Brasil pesa sobre as classes baixa e média, uma vez que atinge os bens e serviços, ou seja, o que todas as pessoas precisam para sobreviver, tanto a classe alta, quanto a média e baixa precisam consumir.

A desigualdade neste sistema é justamente classes com poderes aquisitivos distantes pagarem o mesmo valor sobre o mesmo produto. Quando os tributos atingem todos e não os individualiza em suas capacidades contributivas, frutificam a desproporção. Estima-se pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) que no ano de 2018 o brasileiro trabalhou 153 dias do ano para pagar impostos, ainda do mesmo instituto, descobre-se que em média 33% do que é consumido no país, é imposto.

A grande questão não é o tanto arrecadado, porém quem suporta essa arrecadação, é fácil utilizar-se dos impostos indiretos porque os seus valores são embutidos nos custos dos produtos e serviços, e repassados aos consumidores. Pagar impostos não é um problema, por exemplo na Noruega, que apesar de possuir uma das mais altas taxas de impostos do mundo, ostenta o primeiro lugar no ranking de melhor país para se viver, com saúde universal, ensino superior subsidiado pelo governo, educação de qualidade e outros.

Os brasileiros almejam melhores serviços públicos, entretanto insistem na ideia equivocada de redução de impostos, como se combater a forma do Estado gerar receitas fosse a solução. Diferente disso, a saída seria espelhar-nos em sistemas tributários como o da Noruega, que arrecadam o suficiente para conceber qualidade de vida, e não sobrecarregam os trabalhadores.

O que não significa que a classe alta manterá o Brasil, todavia significa que a carga será redistribuída e deixará de ser um paraíso fiscal, para que a tão sonhada justiça fiscal se concretize. Por tais razões, faz-se necessária uma reforma tributária tornando a capacidade contributiva (de forma progressiva) presente em todos os tributos que incidam sobre a renda. É imprescindível também a reestruturação consistente de combate à sonegação e ao controle dos gastos públicos. ***___Bruna Andrade é Advogada em Mato Grosso.




fonte: Bruna Andrade



JBA AREEIRA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
rotary alimento
Multivida
rotary
High Society
Flores multicoloridas a delegada Judá Maali Pinheiro Marcondes que festejou data nova e recebeu o carinho mais que especial da família e rol de amigos. Que esse novo ano seja repleto de coisas boas e que Deus derrame infinitas bençãos, dando saúde e sabedoria para continuar realizando esse brilhante trabalho à frente da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, Criança e Idoso Dedico este espaço hoje a Maria Madalena Souza Pinto, uma pessoa muito especial, que carrega consigo o dom de ensinar. Ela ontem apagou mais uma velinha e recebeu os calorosos abraços dos filhos, netos e amigos.  Um beijo enorme com votos de saúde, prosperidades e muitos anos de vida. Tim Tim a sua felicidade!!! Hoje é dia de festa para Arci Rezende que está marcando mais um golaço no placar da vida. Na oportunidade recebe os parabéns dos familiares, rol de amigos e dos companheiros do Rotary. Muita luz, amor, paz e realizações é o que lhes desejamos para o novo ano que inicia. Salute!!!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados