Diretora administrativa: Rosane Michels
Domingo, 26 de Janeiro de 2020
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
O excesso de gastos Tributários
Data:19/09/2019 - Hora:07h56

O governo federal fechou o exercício de 2018 com um déficit primário de R$ 113 bilhões, que, somado aos juros de R$ 310 bilhões, alcançou um déficit fiscal de R$ 423 bilhões, ou 6,2% do Produto Interno Bruto (PIB). O que há de bom (se é que podemos assim dizer) é o fato de esse déficit ter caído de R$ 516 bilhões, ou 8,6% do PIB, em 2015, um dos maiores do mundo. O Brasil gasta demais e isso vem desde a década de 1990.

Os gastos primários do governo central, exceto as transferências aos entes subnacionais, passaram de 14,8% do PIB em 2000 para 19,3% em 2015, num incremento anual de 0,3 do PIB. No entanto, há outro fator negativo, que são os gastos tributários ou desonerações fiscais, com previsão de R$ 306 bilhões para 2019 que, a cada ano, reduzem a receita potencial.

Eles passaram de 1,8% do PIB em 2002 para 4,9% em 2015, caindo para 4% em 2018, o que correspondeu a um incremento de 2,2% do PIB, o equivalente a R$ 150 bilhões, o que, por si só eliminaria o déficit primário ocorrido no exercício.

A representatividade dos gastos tributários na receita quase dobrou no período 2002-2018, ao passar de 11,6% para 20,7%, produzindo um diferencial de 9,1 pontos percentuais. A partir de 2007 houve um grande crescimento das desonerações, passando de 12,4% da receita em 2006 para 20,7% em 2018. A grande expansão se verificou no Simples Nacional, ao passar de 2,3% para 5,9% na receita, no mesmo período, nas isenções e rendimentos não tributáveis do Imposto de Renda pessoa física e nas desonerações da folha de salários.

Somente três desonerações correspondem a 52,7% do total dos gastos tributários. São elas o Simples Nacional, as decorrentes do Imposto de Renda e as desonerações da Zona Franca de Manaus e áreas de livre comércio. A natureza dessas desonerações mostra que não será fácil reduzi-las, muito menos eliminá-las. Na vida, é muito mais difícil deixarmos de ter as coisas do que não tê-las. Os gastos tributários não são um mal em si. São até recomendáveis em muitos casos, mas não podem ser concedidos sem a concomitante redução de despesas, o que não ocorreu ao longo do tempo, expandindo o fosso existente entre receitas e gastos, o que quer dizer déficit. Mas agora que tanto se fala em reforma tributária, essa reforma deve passar pela análise criteriosa dos gastos tributários, que são excessivos. ***___Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista.




fonte: Darcy Francisco Carvalho dos Santos



JBA anuncie aqui anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
 Um brinde especial ao amor, que uniu o casal Manoel Alvares e Dora Santos, que festejam bodas e recebem o carinho dos filhos e amigos pela tão linda data. Queridos amigos, parabéns por estes anos de amor e cumplicidade. Que vocês sigam sempre juntos. Feliz Bodas!!! Parabenizamos nossa leitora Olga Maria Castrillon Mendes, por mais um ano de vida. Que essa data seja cheia de amor, paz, carinho e tudo de bom, pois você merece… Feliz Aniversário! Que Deus abençoe este dia e possa te presentear com aquilo que seu coração almeja.    Forte abraço a Jefferson Geraldes pela passagem de mais um natalício. Que esse novo ano seja recheado de alegrias e muitas realizações. Felicidades sempre!!!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados