Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 21 de Novembro de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Médico que recebia sem trabalhar foi condenado
Data:11/07/2019 - Hora:10h35
Médico que recebia sem  trabalhar foi condenado
Ilustrativa

O médico Emerson Martins de Oliveira, da rede pública que ficou aproximadamente dois anos sem comparecer regularmente ao local de trabalho em Pontes e Lacerda, região de Cáceres, e recebendo normalmente foi condenado a promover o ressarcimento aos cofres públicos dos danos causados de forma integral e com juros e correção monetária.

O servidor público Emerson, que atuava o Centro de Detenção Provisória do município, também teve os direitos políticos suspensos pelo prazo de sete anos e está proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos pelo período de cinco anos.

A decisão judicial estabelece ainda o pagamento de multa civil no importe de 10 vezes o valor da remuneração com juros e correção monetária. Os valores serão calculados na fase de liquidação da sentença. A condenação é resultado de uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso contra Emerson Martins de Oliveira.

De acordo com o promotor de Justiça Paulo Alexandre Alba Colucci, na época em que a ação foi proposta o MPMT requereu, em caráter liminar, a indisponibilidade de bens do médico no valor de R$ 91.174,80. Medida esta que foi prontamente atendida pelo Poder Judiciário.

O servidor também foi demitido em âmbito administrativo por meio de Procedimento Administrativo Disciplinar - PAD anterior à sentença, em razão dos mesmos fatos. “Além de causar prejuízo ao erário, afrontou, em muito, os deveres de honestidade, legalidade e lealdade às instituições, o que por si só já constitui ato de improbidade sujeito às penalidades legais, na medida em que se dedicava às atividades profissionais particulares em período em que deveria estar prestando atendimento à população, no serviço público”, destacou o juiz Cláudio Deodato Rodrigues Pereira.

Conforme consta na sentença, o médico admitiu no processo administrativo que não cumpria a carga horária e justificou alegando que “é de conhecimento geral que em nenhum lugar do Brasil nenhum médico público cumpre sua carga horária de 40 horas por semana para receber cerca de R$ 3.700,00”.  Os fatos apurados aconteceram entre os anos de 2013 e 2014.




fonte: G.D com Redação



anuncie aqui AREEIRA JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
QI
Multivida
zoom
High Society
Parabenizamos a aluna do  6º Ano do Colégio Salesiano Santa Maria, Yasmin Calone, que venceu a etapa municipal e estadual do Concurso Cartaz da Paz, promovido pelo Lions Club. Ela venceu com o cartaz que  expressou: Paz é algo importante para sermos humanos legítimos de respeito. Yasmim já está classificada para a etapa Nacional que acontece em Brasília e será a representante do Estado de Mato Grosso. Desejamos sucessos nessa nova etapa. Destaque VIP de hoje ao advogado Silvio Teles, que participou da cerimônia de abertura do 1º Simpósio Jurídico da FAPAN, encantando autoridades e acadêmicos com a  reflexão sobre o tema a Presunção de Inocência na véspera do julgamento (definitivo) do STF. Recebendo elogios em sua rede social pela brilhante performance e conhecimento. Nossos aplausos... Hoje você Denise Cristina Bodoni inicia uma nova jornada, e nesse momento de alegria por estar completando mais um ano de vida, nós desejamos toda a felicidade do mundo, que Deus lhe conceda muitos anos de vida. Parabéns e feliz aniversário!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados