Diretora administrativa: Rosane Michels
Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
A Revolução de 9 de Julho
Data:09/07/2019 - Hora:08h47

A chegada de Getúlio Vargas ao poder sinalizou uma importante possibilidade de transformação do cenário político e econômico nacional. No entanto, a proposta transformadora da revolução não tinha condições de superar instantaneamente a hegemonia da elite agroexportadora que controlava o país. Dessa maneira, Vargas teria dificuldades em limitar os poderes dos cafeicultores paulistas, que representavam grande parte do interesse político oligárquico.

Enquanto o novo presidente reafirmava suas alianças colocando os tenentes à frente dos governos estaduais, a insatisfação política dos paulistas ganhava maior força. Nesse aspecto, membros da oligarquia buscavam apoio político para pressionar o novo presidente a convocar uma nova constituinte. A realização de novas eleições seria uma maneira de rearticular a presença das oligarquias no poder e garantir os interesses desse mesmo grupo.

Para tanto, foi realizada a junção entre o Partido Democrático (PD) e o Partido Republicano Paulista (PRP) que iriam compor a chamada Frente Única Paulista. O movimento passou a ganhar apoio popular na medida em que o regime varguista, teoricamente provisório, não dava sinais claros que uma nova eleição seria realizada. Em maio de 1932, uma manifestação paulista acabou gerando graves consequências com a morte de quatro jovens manifestantes: Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo. O incidente foi o estopim para que uma luta armada entre os paulistas e o governo provisório se concretizasse. Em São Paulo, o M.M.D.C. foi responsável pela organização da luta armada e carregava em sua sigla as iniciais dos jovens mortos na manifestação ocorrida em maio. A revolução, conhecida como Revolução Constitucionalista, teve início em julho daquele mesmo ano, quando foi oficializada a ruptura política entre os paulistas e o governo provisório de Getúlio Vargas.

A formação do chamado Exército Constitucionalista foi apoiado por outras figuras políticas que romperam com o governo e contou com a expressiva participação de jovens de classe média favoráveis à redemocratização do país. Apesar do visível apoio da população, que chegou ao ponto de doar jóias e dinheiro às tropas paulistas, a mobilização não teve força suficiente para superar a vantagem numérica e bélica do governo. Em setembro de 1932, as forças constitucionalistas já não conseguiam deter o avanço das tropas fiéis a Getúlio Vargas. Além disso, o bloqueio imposto pela Marinha no Porto de Santos impediu que os revoltosos recebessem tropas e suprimentos de outros estados solidários ao movimento constitucionalista. Pouco tempo se passou até que os paulistas reconhecessem a derrota. No ano seguinte, Vargas anunciou a convocação da constituinte e ofereceu subsídios aos agricultores. ***___ Rainer Gonçalves Sousa é escritor, pesquisador e historiador paulista.

 



fonte: Rainer Gonçalves Sousa



anuncie aqui AREEIRA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
QI
zoom
Multivida
High Society
Descansando nas lindas praias de Recife, Daici Forgiarini Bastos e a filha Byanca Aniceto, que aproveitam dias de sol e muito mar. Desejamos uma ótima estada na capital pernambucana e bom Passeio!!!    Nossos parabéns com votos de felicidades a empresária Lilian Kemper, que trocou de idade e recebeu o carinho da família e dos colaboradores da Massaroca Aviamentos. Grande abraço e votos de um ano recheado de conquistas e muita saúde. Abraço especial a professora Jocineide Macedo Karim que comemorou data nova e recebeu os cumprimentos dos amigos e familiares. Que Deus guie sempre seus caminhos por onde você passar. Desejamos muita paz, alegria e saúde para você sempre! Feliz aniversário!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados