Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 19 de Setembro de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Apoio dos governos às família
Data:02/07/2019 - Hora:08h33

"Mais do que nunca, as relações familiares em nossa sociedade têm seu fundamento em decisões pessoais livres. O divórcio, legalizado há 42 anos no Brasil, é uma escolha cada vez mais frequente – entre 1984 e 2016, a proporção de divorciados em relação ao número de casados mais que triplicou, segundo o IBGE. Ter filhos é hoje uma opção do casal, não uma decorrência natural de seu relacionamento. Assim, o triunfo da autonomia individual vem alterando significativamente as características das famílias. O resguardo da esfera privada nas democracias liberais é aspecto fundamental nesse processo, condição indispensável para a garantia das liberdades individuais. No entanto, no que diz respeito às relações familiares, ainda que privadas, algumas escolhas têm relevantes repercussões públicas e, por isso, não podem ser indiferentes para os governos. O exemplo mais eloquente disso é a educação das crianças.

A família tornou-se motivo de conflitos ideológicos e, portanto, um elemento de desagregação na esfera pública Desde 2011, a ONU aprovou algumas resoluções exortando os Estados-membros a promover políticas de apoio à família como ferramentas para o desenvolvimento social. Em concreto, recomenda-se a implementação de ações centradas na família para a redução da pobreza, a promoção das relações intergeracionais, a conciliação trabalho-família e o desenvolvimento da parentalidade. Não se trata de impor nenhum modelo familiar pré-concebido, mas de apoiar as famílias no cumprimento de algumas de suas funções mais básicas, como as tarefas de cuidado e a educação. Há evidências consistentes de que esse apoio é estratégia bem-sucedida para estruturar políticas públicas. Por exemplo, vários governos europeus, preocupados com o acentuado envelhecimento populacional e as baixas taxas de natalidade, estão expandindo o amparo estatal concedido às famílias. É o caso de Portugal, onde ocorre um amplo debate público sobre como apoiar a decisão dos casais de terem filhos. A China aboliu a política do filho único e rebatizou suas ações de “planejamento familiar” para “desenvolvimento familiar”.

Um exemplo mais próximo à realidade brasileira é o da África do Sul, onde existe um programa de transferência de renda parecido com o Bolsa Família, no qual exige-se da família a participação em ações de formação da parentalidade. Uma consequência positiva é a maior participação dos homens no cuidado das crianças. "No Brasil, o debate sobre o tema ainda é bastante precoce. A família tornou-se motivo de conflitos ideológicos e, portanto, um elemento de desagregação na esfera pública. Como consequência, apesar de ser assunto recorrente em discursos políticos, raramente ganha respaldo com propostas efetivas." ***___Rodolfo Canônico, especialista em Políticas Públicas para a Família pela Universidade Internacional da Catalunha, é fundador e diretor-executivo de Family Talks.

 



fonte: Rodolfo Canônico



AREEIRA JBA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
Brindando idade nova a socialite Marta Silveira Rocha, cercada de carinho pelo seu esposo, filhos, amigos e colaboradores do Laboratório São Lucas apagou vela ao som do Parabéns a você. Receba os abraços desta coluna com votos de felicidades sempre.  Flashs ao aniversariante Maurício Olivi que celebra a data ao lado da família recebendo os parabéns do rol de amigos. Que seus dias futuros sejam prósperos e repletos de sonhos realizados. Saúde e prosperidades!!! Flores multicoloridas a nossa leitora assídua Dalva Campesatto, pessoa encantadora, a quem dedicamos o destaque hoje, nosso carinho e respeito. Grande abraço!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados