Diretora administrativa: Rosane Michels
Domingo, 22 de Setembro de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
Reub
É possível planejar a transmissão do patrimônio aos herdeiros?
Data:29/05/2019 - Hora:09h04

Falar em planejamento sucessório é tratar e lidar diretamente com o assunto sobre a finitude da vida, mas, de uma forma mais leve sem adentrar às mazelas e ‘des’entendimentos do plano espiritual. Precisamos, então, compreender como que o planejamento poderá ser efetivo nesse momento afim de que compreendamos que o planejamento sucessório é a forma mais segura e, muitas das vezes, menos onerosa quando tratamos de uma sucessão causa mortis para aqueles que pretendem estabelecer uma proteção ao patrimônio que será deixado após a abertura da sucessão (morte).

Na atualidade não podemos pensar o direito sucessório dissociado da realidade econômica do país ou das mudanças e alterações insipientes que assentam novos traços econômicos, sociais e estruturais na sociedade. Portanto, o direito sucessório cujo objeto é a transmissão das relações patrimoniais deve ser tratado com olhar mais próximo e humanístico a fim de produzir e alcançar a real efetividade das normas.

Nesse sentido, o planejamento sucessório consiste na estruturação de forma planejada da sucessão do patrimônio do indivíduo possibilitando a preservação e proteção do patrimônio familiar, a simplificação dos procedimentos, trâmites sucessórios, a prevenção de litígios entre terceiros e, claro, a eficiência financeira, tributária e econômica na sucessão patrimonial.

O planejamento sucessório como tem se discutido na atualidade só é possível porque o próprio direito sucessório passou a refletir um viés mais social e econômico na sociedade contemporânea e, portanto, um bom planejamento sucessório acaba por possibilitar a organização financeira e patrimonial para depois da finitude da vida do instituidor, de modo que à morte fique reservada tão somente, e dentro de sua grandiosidade pelo que significa no campo das emoções, a dor da alma pela perda do ente querido, mas sem produzir efeitos catastróficos no âmbito patrimonial e financeiro.

Assim, os instrumentos do planejamento sucessório, tais como a doação com cláusulas de proteção, o testamento e a holding, acabam por promover uma adequação da lei ao caso concreto de forma a aproximar-se dos anseios dos interessados fazendo com que a morte não interrompa a linha de produção de riquezas e nem traga insegurança aos sucessores sobre a forma de conduzir, administrar e gerir o patrimônio deixado pelo instituidor. ***___ Cibeli Simões dos Santos e Adriane Barbosa do Nascimento, Advogadas e sócias proprietárias da Sociedade de Advocacia Simões Santos & Nascimento

 



fonte: Cibeli Simões dos Santos e Adriane Barbosa do Nascimento



JBA anuncie AREEIRA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Elegante e lindíssima Gessica Simoncele oficializou união com Igor de Souza em cerimônia preparada com muito carinho para o grande dia. Na presença de familiares, amigos e padrinhos selaram o amor. Felicidades ao casal.  Aniversariante do dia Marisa Klein Dias que recebe o carinho especial do esposo Claudio, filhos e rol de amigos. Essa coluna deseja um ano de vitórias e muita saúde. Um brinde a você...Tim tim! Empreendedora de visão, Beatriz Tavares inaugura hoje o novo espaço da Casa Marquesa com inovações agregando valores ao seu negócio. Na oportunidade recebe os clientes e amigos no fim da tarde com um coquetel. Sucessos!!!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados