Diretora administrativa: Rosane Michels
Terça-feira, 22 de Janeiro de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI novo
Judas nos anos 50
Data:31/10/2018 - Hora:10h21

A infidelidade disseminada nos partidos políticos brasileiros, às vésperas de eleições, traz à memória a campanha presidencial de Cristiano Machado, em 1950. Ela foi marcada pela traição de correligionários do candidato do Partido Social Democrático (PSD) a presidente da República. Ali começava a longa história da expressão muito usada por analistas políticos até hoje: a “cristianização”.

Na corrida eleitoral com o forte adversário Getúlio Vargas, Cristiano Machado se viu abandonado por políticos do próprio partido. Eles se aliaram ao ex-presidente por ter uma candidatura mais viável. Mineiro de Sabará, ex-prefeito de Belo Horizonte e ex-deputado federal, Cristiano recebeu apoio formal do PSD, mas na prática foi trocado pela popular candidatura de Vargas na legenda do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Na época, o grande embate político era do PTB, aliado do Partido Social Progressista (PSP), com a União Democrática Nacional (UDN). O PSP, de Ademar de Barros e com forte base eleitoral em São Paulo, lançou Café Filho na chapa de Getúlio. Já os udenistas lançaram à Presidência a chapa encabeçada pelo brigadeiro Eduardo Gomes e Odilon Braga de vice.

Em 3 de outubro de 1950, o país foi às urnas escolher o presidente da República. E Getúlio Vargas voltou ao Palácio do Catete, depois de ficar no poder de 1930 a 1945, sendo que no último período, a partir de 1937, sob a ditadura do Estado Novo. De maneira extra-oficial, muitos políticos do PSD e outros aliados de Cristiano apoiaram em peso Vargas, trabalhando para sua reeleição, com o objetivo de serem recompensados com participação no governo depois da vitória. O processo de esvaziamento eleitoral da candidatura do PSD passou a ser conhecido no jargão político como "cristianização".

E o resultado do acordo Vargas-Ademar, aliado à “cristianização” imposta pelo PSD ao seu candidato, não poderia ser melhor para o getulismo. Segundo informações do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas, o candidato do PTB obteve quase maioria absoluta dos 8.254.989 eleitores que compareceram às urnas. Vargas recebeu 3.849.040 votos (48,7%), seguido bem abaixo por Eduardo Gomes, com 2.342.384 votos (29,6%). Já Cristiano Machado teve um fraco desempenho: 1.697.193 votos (21,5%). O PSD, legenda pela qual se elegera Eurico Gaspar Dutra presidente em 1945, ficava num distante terceiro lugar. O socialista João Mangabeira, por sua vez, chegou em quarto lugar, obtendo votação simbólica, de 9.466 votos. Os votos nulos totalizaram 145.473, enquanto 211.433 eleitores votaram em branco.

Nos anos 80, o processo de "cristianização" foi protagonista de duas outras eleições presidenciais. Primeiro, na escolha de Tancredo Neves como presidente da República pelo Colégio Eleitoral, em 15 de janeiro de 1985. O candidato da oposição saiu vitorioso graças aos votos de dissidentes da base governista, que apoiava o deputado federal Paulo Maluf (PDS, sucessor da Arena). Depois, nas eleições diretas para presidente em 1989: o deputado federal Ulysses Guimarães, do PMDB, dono da maior bancada no Congresso e do maior tempo no horário eleitoral na TV e no rádio, viu seus correligionários migrarem para outros partidos. Diante da iminente derrota, os peemedebistas passaram a apoiar Fernando Collor (PRN), que se elegeria presidente, e Mario Covas (PSDB), entre outros candidatos. O "Senhor Diretas", como Ulysses era conhecido, terminou em sétimo lugar na disputa.

 ***___Gustavo Villela é jornalista.




fonte: Gustavo Villela é jornalista



AREEIRA anuncie aqui JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
Vende-se
High Society
Festejou mais uma primavera a linda Alícia Maria, que ontem recebeu os parabéns dos familiares, amigos e companheiros do Rotaract. Que todos os aprendizados sejam fonte de inspiração para mais uma etapa de sua vida. Que tua vida seja sempre marcada por bons momentos. Milhões de felicidades gatinha!!! Flores multicoloridas  a aniversariante do dia Maritza Maldonado. Desejo o melhor para você não só hoje, mas sempre, e que esta data se repita por muitos anos. Felicidades mil!!!  Celebrou mais um ano de vida o professor Rubens dos Santos a quem enviamos votos de felicidades, saúde e muito amor. Que os dias futuros sejam pleno de realizações. Na foto com a esposa Mariana.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados