Diretora administrativa: Rosane Michels
Sábado, 19 de Janeiro de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI novo
Profissão sapateiro sobrevive desafiando crise e o desapego
Data:25/10/2018 - Hora:10h08
Profissão sapateiro sobrevive  desafiando crise e o desapego
JCC

Nesta quinta feira, 25 de outubro, o calendário registra uma data singular, meio esquecida do povo, mas de suma importância no cotidiano, o dia do sapateiro. Um profissional que mescla técnica e artesanato manufaturado em seus trabalhos, matéria prima, o sapato, cuja origem remonta a necessidade que o ser primata sapiens, sentiu

de proteger seus pés, seja do frio ou dos obstáculos no solo. A função do sapateiro é manusear e restaurar botas, calçados, chinelos e ultimamente, artigos de couro, como mochilas, bolas de futebol, jaquetas, etc.

Em Cáceres são várias as sapatarias especializadas em consertos de calçados e similares, como o espaço de Vanderlei André,  Sapataria Jauru, na Rua General Osório, 28 anos no ramo, que segundo disse aprendeu com um pioneiro bate-sola, o Brito. Segundo ele, apesar dos modernismos desapegas, a demanda ainda compensa e sempre tem serviços, e pode se sobreviver na profissão.

Vanderlei conserta também bolsas e malas e no tocante a calçados, especializou-se em adaptações ortopédicas sob encomenda, atendendo inclusive clientes da Bolívia. “Quando a pessoa não tem condições, cobro apenas o mínimo, o material,” afirma ele, concluindo que a profissão infelizmente tem se estagnado, antes os pais incentivavam os filhos, algumas vezes, em família.

A assertiva de Vanderlei pudemos sentir na conversa com Gilson de Pinho, sapateiro há 22 anos, com seu espaço de consertos na Avenida Sete de Setembro, 410, próximo a rodoviária, que disse ter aprendido com seu pai, quando morava em São Paulo. Seu irmão também foi sapateiro e quando veio prá Cáceres, não teve problemas, instalando a Sapataria Maranhão, onde conserta calçados, bolsas, bolas e vai vivendo.

Quando surgiu a profissão de sapateiro, ela era bastante discriminada, sendo considerada menos relevante do que as profissões de curtidores e carniceiros, por exemplo. Porém, com o tempo, a profissão se tornou mais popular, o que despertou a necessidade de estabelecer um padrão na forma de fabricação de calçados entre os diversos sapateiros.

Atualmente, a procura por sapatos sob medida faz parte de um passado distante, em virtude do crescimento das indústrias especializadas em produções em massa. A queda da demanda, a dificuldade de aprender um ofício para o qual não há escolas e os altos custos para sustentar uma sapataria em áreas comerciais contribuem para aumentar a ameaça de extinção do ofício, mas ainda dá pra sobreviver na profissão.




fonte: Da Reportagem Local



anuncie JBA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Destaque especial desta quinta-feira a empresária Adriana Barbosa Barros, que inaugurou  mais uma panificadora Pão & Cia na city. A filial fica na Avenida Talhamares. Parabéns pelo mais novo empreendimento e por acreditar no potencial da Princesinha. Sucessos mil!!!  Felicidades a Amanda Lorrayne que apaga velinha envolto ao carinho dos amigos e familiares. Que a alegria acompanhe você por todos os momentos e que Deus continue guiando todos os seus passos e iluminando cada vez mais os seus pensamentos. Trocou de idade ontem Silvio Luiz Silva, que na oportunidade foi abraçado pelos familiares, amigos e companheiros do Rotary Club de Cáceres. Desejo que seu aniversário lhe traga uma felicidade imensa e que você possa realizar todos seus desejos nessa nova etapa de vida.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados