Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI novo
Missão deve avaliar impactos de hidrelétricas no Pantanal
Data:05/10/2018 - Hora:14h45
Missão deve avaliar impactos  de hidrelétricas no Pantanal
Assessoria

A Comunidade de Porto Limão, que vive nas margens do Rio Jauru, em Cáceres, recebeu na última segunda feria, 1º a visita de membros do Conselho Nacional de Direitos Humanos, convidados a participar da missão a Rede de Comunidades Tradicionais Pantaneira, Instituto Gaia e Instituto Caracol, com o objetivo escutar e acolher as denúncias que a comunidade vem sofrendo desde a construção e instalação de uma cinco pequenas centrais hidrelétricas e uma central hidrelétrica no rio.

A missão faz parte das atividades do Grupo de Trabalho Direitos dos Povos e Comunidades Tradicionais, que ao longo de 2018 vem realizando visitas a todos os estados da federação com o intuito de verificar as agressões e violações de DH, e produzir um relatório sobre situações desses grupos. Em Mato Grosso a comunidade de Porto Limão foi escolhida como representativa do Pantanal para esta oitiva.

O encontro reuniu moradores da comunidade tradicional do Porto Limão e representantes de Campo Alegre e Porto Alambrado, situadas as margens do Rio Jauru. A coordenadora da Rede de Comunidades Tradicionais Pantaneiras Cláudia de Pinho, juntamente com o representante Conselho Nacional de Direitos humanos Paulo Maldos, conduziram o diálogo, explicando o motivo da visita para que a comunidade pudesse relatar as situações de violações que vem vivenciando.

Um dos pescadores do Porto Limão, conta que mora ali sua vida toda assim como seus avós e bisavós, ele relata que antes destes empreendimentos no Jauru “o rio era bonito, dava para viver da pesca, hoje é muito difícil, ninguém avisa quando vão liberar água no rio, uma hora está cheio e de repente abaixa tanto a água que os barcos ficam encalhados,” pontuou. Outros moradores relataram com emoção o dia em que o rio secou, um dia de muita tristeza, porque fecharam o rio de uma vez e quando abriram o que se viu foram muitos peixes mortos, pintado, dourado, pacú, jurupensém, piau, corimbatá, arraia, lambari.

Outro dano está relacionado a disponibilidade de pescado, por causa das PCHS os peixes não sobem mais para fazer a desova, e com a oscilação da água dos rios muitos cardumes ficam aonde tem mais água que é no Rio Paraguai. Membros da comunidade relataram também que não podem mais plantar porque os locais, tradicionalmente usados para o plantio para subsistência, agora inundam, provocando êxodo local, pois antes eram 18 pescadores e atualmente são 12 que ainda resistem.




fonte: Assessoria



AREEIRA JBA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Simpatia ímpar, irradiando nesta primavera florida, a florzinha Renata de Almeida Leite Genunino, presença marcante como assistente administrativa da Sicmatur, sempre com aquela presteza peculiar ao atender as pessoas na secretaria, ilustrando hoje nossa coluna. Beleza e chame são fundamentais e Liandra Mendonça Pinheiro, experiente bióloga e coordenadora da Sicmatur, comprovam isso, no dia a dia to work, fina estampa do Novo Sol da High-Society. Visitando a gente na semana passada, o amigo Leandrinho, que já trabalhou no Correio e faz verão na Andorinha Transportes, como zeloso funcionário, matando a saudade, com a esposa Suélem, Mamy e titia, volte sempre garoto!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados