Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Salada Mista
Data:25/09/2018 - Hora:08h27

Como muitos devem saber, o Brasil não tem uma etnia própria, mercê de seu descobrimento, invasões, desbravadores, mistura de franceses, holandeses e portugueses, imigrações, miscigenações, mesclando o índio com o caboclo, o negro com o caucasiano, o oriental com o mulato e nesta salada mista, impossível discernir o que seria a raça brasileira. Importante definir etnia e raça, para que não haja duvidas quanto ao nosso raciocínio: raça e etnia não são sinônimos, a primeira, conceitua um grupo definido pela mesma origem, afinidades linguísticas e culturais, enquanto que a segunda como distinção entre humanos, é um conceito socialmente construído de que existiriam diferenças biológicas entre as etnias. Parece meio complicado, mas se admitindo raça, como um conceito biológico aplicado aos subgrupos de uma espécie, analisando que a espécie humana não possui subespécies ou subcategorias, não seria correto então dizer, que existem diferentes raças humanas, mas etnicamente pelo que estudei, analisei e pesquisei, posso dizer que o Brasil empastelou bem suas raças. O bom disso tudo é que essa mistura racional, (razão de raças) gerou dialetos e costumes regionais, gente bonita, um idioma autônomo, legado pelo pátrio além-mar, (somos o único país no subcontinente da América do sul a adotar o idioma português) e a integrar uma família planetária composta pelos cinco continentes. Se, éramos na primeira visão de Cabral uma ilha, a de Vera Cruz, depois uma terra, a de Santa Cruz, habitada por nativos, povoada por lusos e negros, franceses e holandeses corsários, no decorrer dos tempos, mascates judeus e demais imigrantes formamos uma super-raça, não etnicamente, mas esteticamente invejável. Do mameluco ao cafuzo, do mulato ao caboclo, a terra do Pau Brasil começou a edificar esta Torre de Babel de raças mesmo, a partir do século XVIII com o advento das imigrações, miscigenando ainda mais a super-raça sem etnia. Da mestiçagem oriental/ocidente ao bronde, (moreno/loiro), aqui se incorporando o termo pós-net, desde o mascate dos sertões com as sonhadoras de arrabaldes aos atletas e Marias-chuteiras. De colonizadores (1500/1822) a imigrantes, (século XVIII e seguintes) nos transformamos num imenso lar global, abrindo as portas e portos para os suíços, os primeiros imigrantes europeus a se estabelecerem no Brasil depois dos portugueses, 1819-1820, oriundos do cantão de Friburgo, daí o nome de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, onde a priori se aboletaram; os alemães no sul, cite-se: Pomerode, Blumenau, Joinville a região do Vale do Rio dos Sinos; os Italianos, entre 1880 e 1930, principalmente nas cidades de Caxias do Sul, Farroupilha, Bento Gonçalves; os espanhóis, na década de 1880, com destino às fazendas de café em São Paulo; da Terra do Sol Nascente, os Japoneses, a partir de 1908, no Navio Kasato Maru no Porto de Santos, (issei, o nissei e o sansei, respectivamente 1ª, 2ª e 3ª gerações), enfim, dezenas de imigrantes em busca do Eldorado, como os eslavos, lituanos judeus, finlandeses, etc. e nestes séculos de boas vindas e chegadas, vou fechar a viagem das raças, em no nosso Mato Grosso, um dos estados que mais tem mistura de povos e culturas, entre estes irmãos por parte de Adão e Eva que se fixaram na região, as nonas e nonos italianos, que vieram do sul do Brasil ou diretamente do país europeu e dos quais filhos e ou netos deles, eu nasci, Capisce amico-mio? Buongiorno!  ***___Rosane Michelis, jornalista, pesquisadora, bacharel em geografia e pós em turismo.




fonte: Rosane Michelis



JBA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
High Society
Parabenizamos o pequeno Samuel Maciel, que ontem festejou seu primeiro aniversário envolto ao carinho dos papais Wellyngton Maciel e Darlene Floriano e da vovó Isabel. Desejamos que continue crescendo forte e saudável, e que a felicidade se multiplique por muitos anos. Feliz Niver!!! Em contagem regressiva para a chegada do primeiro baby o casal Vander Sousa e Janaína Sedlacek que não se cabem de felicidade e ansiedade para o dia tão esperado. Estamos na expectativa também já desejando um bom parto a futura mamãe. Abraço especial a supervisora pedagógica do Colégio Salesiano Santa Maria, Fabíola Campos Lucas, que desenvolve um trabalho digno de registro. Educadora nota mil que merece nosso respeito.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados