Diretora administrativa: Rosane Michels
Domingo, 21 de Abril de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Eigalê, Gauchada!
Data:20/09/2018 - Hora:08h09
Eigalê, Gauchada!
Reprodução Web

Neste 20 de setembro, 183 anos atrás, deflagrava-se no sul a Revolução Farroupilha, que deu origem à comemoração do Dia do Gaúcho, que a indiarada chimarrita dos pampas, onde quer que esteja, celebra na estância, com a píazada, a china e os baguáus, inclusive, a data é feriado estadual no Rio Grande do Sul. O Dia do Gaúcho consiste numa homenagem a um dos episódios históricos mais importantes para a comunidade gaúcha: a Revolução Farroupilha ou Guerra dos Farrapos, que teve início em 20 de setembro de 1835 e terminou em 1º de maio de 1845, período que passou a história deste estado como o Decênio Heróico. Esta revolução foi uma revolta regional contra o Governo Imperial do Brasil na qual os revoltosos queriam separar-se do Império do Brasil. Durou aproximadamente 10 anos e recebeu este nome por conta dos farrapos que seus participantes vestiam. A revolução chegou ao fim após ser feito um acordo de paz entre as partes envolvidas. Mas a gente não está aqui pra falar em histórias e sim na história desta gente laboriosa que em busca do Eldorado, aportou Mato Grosso na década de 70 do século passado pela BR 163, escrevendo com a força do trabalho constante, perseverante e sério, páginas de glórias no quase meio século do Matão. Em Cáceres, temos poucas referencias de gaudérios, shimanos e araganos, que aqui na fronteira chegaram bem antes do integrar para não entregar, na esteira do 9º BEC, e falando em fronteira, um dos mais famosos gaúchos, o da Fronteira, gravou no éter, a saga dos bombacheiros em Mato Grosso, aqui, na fronteira pantaneira. Quem tem mais de 60 nos costados, freqüentou o CTG semente do Chalana, deve ter riscado a espora no salão entre uma mateada e outra, com as marcas das gaitas de botão.  E cantava o Gaucho da Fronteira: “A conquista do Oeste, é preciso enaltecer; Por meus pais e meus avós, esse chão meu bem querer; Levanto as duas mãos ao céu para agradecer; Na direita o chimarrão, na esquerda um tererê; Na direita tem vanerão e na esquerda chamamé;” Hoje lá no nortão, com certeza é dia de festa, em Sinop, Lucas do Rio Verde, Sorriso, Nova Mutum e circunvizinhas, onde a gauchada se estabeleceu, construindo um império que alavancou o PIB de Mato Grosso, inicialmente com a extração de madeiras e posteriormente com o agronegócio. Não por acaso, o nosso estado produz 10% de toda a soja do planeta, plantadas e colhidas pelas mãos sulistas, riograndenses, catarinenses e paranaenses e o leitor pode argüir, que não foram então somente gaúchos e a gente explica: em um sentido meramente geográfico, aplica-se o termo gaúcho às pessoas que nascem no território do Rio Grande do Sul, independentemente da identidade cultural delas; em um sentido geográfico-cultural, pode-se aplicar esse termo às pessoas ao longo de uma rede de caminhos que abrange uma larga faixa que passa pelos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e sul de São Paulo, a zona dos birivas, uma cultura que tem traços gaúchos e caipiras. Por este prisma, se tem, que ser gaucho é um estado de espírito empreendedor e os Michels do Correio Cacerense, saudosos Aderbal e Orfélia, Catarinas barriga-verde, foram os gaúchos da fronteira que deixaram os pagos e fizeram história como súditos celebres da Princesinha do Pantanal. Em nome deles, saudamos toda a gauchada dos biomas de Mato Grosso, Eigalê Viventes, neste 20 de setembro, mas, bah, e ainda nem chegou a primavera.

 




fonte: Da Redação



JBA anuncie anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
canopus
High Society
Embelezando nossa High Society o gatinho Miguel em ensaio fotográfico comemorativo a Páscoa. Sorriso fácil que encanta a todos deixando os avós corujas Gilda e Gilmar Assunção cada dia mais apaixonados. Beijinhos mil e muita saúde ao Miguel. Destaque mais que especial as mulheres da Casa da Amizade que ontem num gesto solidário e de amor ao próximo dedicaram uma manhã em prol das crianças e adolescentes atendidas pelo Projeto Gonçalinho. Na oportunidade além de distribuírem ovos de páscoa a todos, ainda doaram atenção com conversas e muita alegria. São atitudes como essa que fazem a diferença, uma vez que páscoa não é só chocolate, mas doação e amor. Nosso registro e nossos aplausos...  Festejando data nova a querida amiga Dayse Tedesco Ribeiro que hoje recebe os abraços do rol de amigos e dos familiares. Que esse novo ano venha recheado de coisas boas e felicidades.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados