Diretora administrativa: Rosane Michels
Terça-feira, 23 de Julho de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Eigalê, Gauchada!
Data:20/09/2018 - Hora:08h09
Eigalê, Gauchada!
Reprodução Web

Neste 20 de setembro, 183 anos atrás, deflagrava-se no sul a Revolução Farroupilha, que deu origem à comemoração do Dia do Gaúcho, que a indiarada chimarrita dos pampas, onde quer que esteja, celebra na estância, com a píazada, a china e os baguáus, inclusive, a data é feriado estadual no Rio Grande do Sul. O Dia do Gaúcho consiste numa homenagem a um dos episódios históricos mais importantes para a comunidade gaúcha: a Revolução Farroupilha ou Guerra dos Farrapos, que teve início em 20 de setembro de 1835 e terminou em 1º de maio de 1845, período que passou a história deste estado como o Decênio Heróico. Esta revolução foi uma revolta regional contra o Governo Imperial do Brasil na qual os revoltosos queriam separar-se do Império do Brasil. Durou aproximadamente 10 anos e recebeu este nome por conta dos farrapos que seus participantes vestiam. A revolução chegou ao fim após ser feito um acordo de paz entre as partes envolvidas. Mas a gente não está aqui pra falar em histórias e sim na história desta gente laboriosa que em busca do Eldorado, aportou Mato Grosso na década de 70 do século passado pela BR 163, escrevendo com a força do trabalho constante, perseverante e sério, páginas de glórias no quase meio século do Matão. Em Cáceres, temos poucas referencias de gaudérios, shimanos e araganos, que aqui na fronteira chegaram bem antes do integrar para não entregar, na esteira do 9º BEC, e falando em fronteira, um dos mais famosos gaúchos, o da Fronteira, gravou no éter, a saga dos bombacheiros em Mato Grosso, aqui, na fronteira pantaneira. Quem tem mais de 60 nos costados, freqüentou o CTG semente do Chalana, deve ter riscado a espora no salão entre uma mateada e outra, com as marcas das gaitas de botão.  E cantava o Gaucho da Fronteira: “A conquista do Oeste, é preciso enaltecer; Por meus pais e meus avós, esse chão meu bem querer; Levanto as duas mãos ao céu para agradecer; Na direita o chimarrão, na esquerda um tererê; Na direita tem vanerão e na esquerda chamamé;” Hoje lá no nortão, com certeza é dia de festa, em Sinop, Lucas do Rio Verde, Sorriso, Nova Mutum e circunvizinhas, onde a gauchada se estabeleceu, construindo um império que alavancou o PIB de Mato Grosso, inicialmente com a extração de madeiras e posteriormente com o agronegócio. Não por acaso, o nosso estado produz 10% de toda a soja do planeta, plantadas e colhidas pelas mãos sulistas, riograndenses, catarinenses e paranaenses e o leitor pode argüir, que não foram então somente gaúchos e a gente explica: em um sentido meramente geográfico, aplica-se o termo gaúcho às pessoas que nascem no território do Rio Grande do Sul, independentemente da identidade cultural delas; em um sentido geográfico-cultural, pode-se aplicar esse termo às pessoas ao longo de uma rede de caminhos que abrange uma larga faixa que passa pelos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e sul de São Paulo, a zona dos birivas, uma cultura que tem traços gaúchos e caipiras. Por este prisma, se tem, que ser gaucho é um estado de espírito empreendedor e os Michels do Correio Cacerense, saudosos Aderbal e Orfélia, Catarinas barriga-verde, foram os gaúchos da fronteira que deixaram os pagos e fizeram história como súditos celebres da Princesinha do Pantanal. Em nome deles, saudamos toda a gauchada dos biomas de Mato Grosso, Eigalê Viventes, neste 20 de setembro, mas, bah, e ainda nem chegou a primavera.

 




fonte: Da Redação



anuncie JBA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
Aniversariou ontem a querida Márcia Cristina Dal Toé, cercada de carinho pela sua linda família recebeu os abraços e as vibrações positivas do seu grande círculo de amizade. Esta colunista deseja felicidades e um ano repleto de coisas boas. Já conquistou o público paulista o artista plástico cacerense Sebastião Mendes, que após expor em Assis, já está articulando sua próxima exposição no Memorial Adélio Sarro em Vinhedo. Sucessos!!! Completou mais um ano de vida Luis Otávio Grassi, que brindou ao lado de familiares, amigos do peito e sua amada Luciane Dantas. Felicidades mil!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados