Diretora administrativa: Rosane Michels
Terça-feira, 23 de Julho de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Inquisição na idade Mídia
Data:19/09/2018 - Hora:08h08
Inquisição na idade Mídia
Reprodução Web

Estes dias a gente estava aqui na redação discutindo sobre a entrevista de um candidato a presidente da república na TV plin-plin e mesmo quem tem décadas de jornalismo nos costados, (caso deste editor) o que se tem notado na telinha global, passa longe de ser entrevista, muito mais, pra interrogatórios, inquisição exumada da Idade Média, real, na Idade Mídia. Não é porque seja candidato X ou Y, o profissional de jornalismo que se preza ao realizar uma entrevista, deve se ater às noções básicas de oficio, esquecer sua ideologia política, manter-se coerente e jamais comungar o vicio maldito da tendenciosidade que ainda  macula alguns órgãos de imprensa no patropi. Como bem asseverou o nosso colega jornalista e deputado Jean Willys, numa entrevista, o jornalista, começa fazendo uma pergunta, e não, uma longa exposição da sua opinião, porque numa entrevista, a opinião que interessa e a do entrevistado, não a do jornalista. Depois de fazer a pergunta, óbvio, o entrevistador, deixa o entrevistado responder. Se considerar que a resposta foi insuficiente, não respondeu ou incorreu em falsidade ou contradição, faz-se uma re-pergunta, ou duas, ou mais, podendo confrontar o entrevistado com informações e dados verificáveis, mas sempre, depois, deixar ele responder. A proporção do tempo de fala numa entrevista é um elemento fundamental e fica muito evidente numa revista ou jornal impresso. Peguem algum jornal e confiram: as perguntas, geralmente em negrito ou itálico, são muito mais breves que as respostas. Se essa proporção ficar invertida, isso não foi uma entrevista. E tem sido isso, que a gente vem assistindo na telinha da plin-plin, não uma entrevista, mas um debate de opinião entre dois adversários, entrevistador e entrevistado. Se o repórter tem muita vontade de debater com o candidato, então deixe o jornalismo e entre na política. Agora, se o relapso profissional de um órgão de imprensa não se arrisca a ser candidato, deve ser porque até num debate, não há tantas interrupções, ou, ele sabe que como candidato, não chegaria sequer, a último suplente. Importante não se misturar as coisas, o jornalista assim como outro qualquer cidadão, pode e deve ter sua ideologia política na vida pessoal, agora, transportar essa ideologia à vida profissional, para seguir servilmente determinações, no jornalismo imparcial, ético e sério, é inadmissível. Na real, não é o pseudo jornalista quem perde, não é o entrevistado, e sim, a liberdade do pensamento e da expressão, vilipendiada durante algumas entrevistas que assistimos nestas eleições, verdadeiras sessões de inquisição, a deixar de inveja os cruéis moldes dos inquisidores da Idade Média. Em janeiro último completamos 40 anos de jornalismo, passamos por meia dúzia de periódicos em São Paulo e no Mato Grosso, já vimos pasquins em tons de cinza, trambiques, folhetins caça-níqueis, e, bons jornais, claro, mas bombardeios tendenciosos como Inquisição na Idade Mídia, foi a primeira vez, oxalá, seja a última. Fosse ela escrita, com certeza contaminaria os embrulhos, daí nosso registro, como algo para ser esquecido, em nome da imprensa ética e responsável, como felizmente é a maioria no reino tupiniquim.




fonte: Da Redação



anuncie aqui AREEIRA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Aniversariou ontem a querida Márcia Cristina Dal Toé, cercada de carinho pela sua linda família recebeu os abraços e as vibrações positivas do seu grande círculo de amizade. Esta colunista deseja felicidades e um ano repleto de coisas boas. Já conquistou o público paulista o artista plástico cacerense Sebastião Mendes, que após expor em Assis, já está articulando sua próxima exposição no Memorial Adélio Sarro em Vinhedo. Sucessos!!! Completou mais um ano de vida Luis Otávio Grassi, que brindou ao lado de familiares, amigos do peito e sua amada Luciane Dantas. Felicidades mil!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados