Diretora administrativa: Rosane Michels
Domingo, 16 de Junho de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI novo
Independência e sustentabilidade
Data:07/09/2018 - Hora:09h16

Nos séculos passados havia o conceito de que as colônias, regiões descobertas ou conquistadas, eram para ser usadas pelos conquistadores. Toda a riqueza produzida ou extraída como ouro, pedras preciosas e tudo mais era encaminhado para fora, enquanto que nessas colônias se vivia parcamente, sem recursos e com sistema escravocrata de trabalho. Foi o que aconteceu no Brasil. Os nascidos aqui queriam os mesmos direitos que os povos livres têm, até que um grupo, com o ideal de construir uma nação livre e independente, conseguiu, no ano de 1822, a independência política. Mas o processo de construção do país tem seguido em função de falcatruas e interesses particulares, pois com as fragilidades na economia e na educação, herdadas do tempo em que éramos colônia e que nos manteve na dependência dos empréstimos e seus resgates, a nação permaneceu estagnada. A ausência de seriedade na condução do país tem sido um desastre, e as finanças geridas com displicência geral em Brasília, nos Estados e municípios. Ainda não alcançamos a real transformação de colônia em nação forte e independente, respeitada pelas outras, pois faltam estadistas sérios e bom preparo das novas gerações.

“O Brasil está há mais de 20 anos atrasado em relação a países vizinhos como o Chile em termos de escolarização. O caminho a ser recuperado é longo, mas possível”, defendeu Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda. Mas o atraso é ainda maior, pois caminhamos para o apagão mental devido ao baixo nível das escolas, dos filmes e programação das TVs, e do uso constante de jogos eletrônicos. Ao final do curso médio, menos de 30% dos estudantes dominam a leitura. Além de haver um déficit de professores, faltam motivação e recompensa adequada para essa importantíssima função para assegurar um futuro melhor. Os governantes raramente se pautaram pela eficiente e equilibrada utilização dos recursos para o bem geral. O lamentável nessa historia é a situação do país, empurrado para a beira do abismo pela luta pelo poder. Não sabemos o que está rolando por trás disso tudo, mas se percebe que o que menos preocupa é a melhora do país e sua população. Pessoas sem brios, sem espírito de estadistas, que não se esforçam pelo bem geral, não poderiam ser aceitas como candidatas. Estamos diante de toda a ferocidade da economia globalizada, uns detonando os outros, quando deveriam se esforçar para que houvesse equilíbrio geral na produção, comercialização e consumo. Do jeito que vai, não tardarão a surgir catástrofes econômicas que poderiam ser evitadas se existisse mais consideração entre os povos.

Atualmente o dólar rege a economia global, feito não alcançado por outras moedas como o yen e o euro. O yuan é a moeda da China que tem reservas de quatro trilhões em títulos americanos, mas aonde colocaria tantos dólares? Poucos países têm a habilidade americana de lidar com o mundo financeiro, pois nem a sua elevada dívida influencia o mercado. No entanto, a grande incógnita são os agentes especuladores que se julgam donos do mundo, que de um momento para outro podem derrubar o castelo de cartas, o que quase aconteceu em 2008 e que trouxe fortes conseqüências na miséria global. A turbulência das finanças detona o humanismo e a autonomia dos povos. Qual o caminho que o Brasil deveria seguir para sair do marasmo e alcançar a governabilidade e a sustentabilidade no cenário conturbado de estagnação econômica e da trajetória de crescimento da dívida pública? Como se tornar o país sonhado da liberdade, progresso e consideração? ***___ Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida.




fonte: Benedicto Ismael Camargo Dutra



anuncie aqui AREEIRA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
 Queridos amigos Luiz Catelan e Sebastiana (Batana), é com todo orgulho que cabe em nossos corações que felicitamos vocês pelas bodas de ouro. Durante esses anos souberam alimentar a  chama do amor, sendo exemplo e inspiração para muitos casais  e hoje cinquenta anos depois  vocês continuam dando lição do que é companheirismo, amor, respeito, carinho... Para nós do JCC é um prazer partilhar desse lindo momento,  e poder estar ao lado de vocês nessa comemoração  de Bodas de Ouro. Certamente foi um longo caminho, dias e dias de alegrias, algumas tristezas, mas sobretudo muito amor. Desejamos de coração muitas felicidades para tudo o que juntos  ainda viverão! E nesse brinde especial do JCC o melhor momento do grande dia... Parabéns a você Sônia Arruda Pinheiro do Amaral! Hoje é o seu aniversário e por isso é um dia de festa. Espero que celebre com muita alegria e encha o coração de gratidão e esperança para viver mais um ano de vida. Desejamos toda a felicidade do mundo, muito amor, sucesso e saúde para todos os dias. Você merece tudo de bom que acontecer, pois é uma pessoa especial. Feliz Aniversário! Os flashs hoje são especiais a você. Nas fotos com a filha Simone. Simpática sindicalista, a agricultora familiar Rafaela Cunha, Presidenta do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Cáceres, já idealizando preparativos para o jubileu de ouro da sua base em 2020.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados