Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 17 de Outubro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI novo
Porque sou Apolítica
Data:21/08/2018 - Hora:08h05

Então, gente, estamos outra vez em campanhas eleitorais, 48 dias antes do primeiro turno das majoritárias e proporcionais, (executivo e legislativo) quando novamente somos convocados por um dever cívico, a escolher os deputados estaduais e federais, senadores, governador de Mato Grosso, e presidente da república. Desde que passei a fase adulta, a caminho da idade da razão, me revelei apolítica, adotando a filosofia da valoração política social, claro, que distante do clichê Sarneyano e Collorido, dos anos 80, de Tudo pelo Social, balela demagoga. Nesta minha visão, a política social deve ser aquela voltada à cidadania plena da comunidade que paga por isso e não chavões típicos de campanhas, que morrem nas gavetas pós urnas. Relembrando a década de 80, em 1982 eu era ainda uma menina chegando na adolescência, mas me lembro dos meus pais falando em política naquele 1982, Cáceres assim como demais cidades do estado, em efervescência. Era a primeira eleição direta após a divisão de Mato Grosso, o que acirrava ainda mais os ânimos dos eleitores, palpitosos, conversadores durante as visitas, uns apoiando Julio Campos, outros, o Padre Raimundo Pombo, eu e a mãe, éramos mais simpáticas ao padre. Ainda mais que ele era do PMDB e a nossa Mami, Dona Orfélia, além de filiada, fora uma das fundadoras do partido de oposição a Arena em Cáceres, quando o partido ainda era MDB. Naquela época, Mato Grosso tinha só 61 municípios, chegando aos 141 após a emancipação dos distritos que eram mais que os municípios propriamente ditos e o colégio eleitoral pouco mais de 580 mil votantes. Eu que não teria idade prá votar nem na próxima eleição, ficava ouvindo mamãe e as comadres elogiando o Padre Pombo, que não tinha fama de político, sem rejeição, era visto como alternativa de mudança num estado conservador, recém-dividido e liberto do regime militar assim como o restante do país, depois de quase duas décadas de ditadura. O povo segundo a gente ouvia das visitas na sala, teria seu primeiro governador eleito depois dos biônicos nomeados, como José Fragelli, Garcia Neto e Frederico Campos, então era a hora de começar com um homem do povo. Nas esquinas se falava no Padre Pombo, que se conversa elegesse alguém, ele já estava lá, e, olha, que até surpreendeu a força dos Campos, com uma diferença de pouco mais que 14 votos de diferença para o Julio; que me lembro, foi empurrado pelos militares e com apoio do então governador Frederico Campos e respaldo da cuiabania, se elegendo com mais de 200 mil votos. Muita água do Rio Paraguai e afluentes passou debaixo da ponte Marechal Rondon e 36 anos depois, cá estamos outra vez diante de uma nova eleição, claro, com os modernismos legais, ficha-limpa e outros que tais, desnecessários naquela época. Apesar de pré-adolescente já entendia um pouco dos movimentos políticos locais e regionais, pois sempre fui curiosa e lia bastante e comparando com a moderna política do século XXI, sinceramente, mesmo com os esquemas viciosos e nefastos que envolvem o sistema, a evolução foi pra pior. Dezenas de partidos, oportunismos gerais, fake-news viralizando nas redes, promessas mirabolantes e demagógicas, profissionalismo político, não dá pra gente levar a sério uma eleição atualmente, daí, acredito, o alto índice de votos nulos, brancos e abstenções. Com certeza, o porquê de ser apolítica, porque amo minha cidade, meu estado, minha pátria e não acredito em falácias e milagres, exceto os de Cristo. ***___Rosane Michelis –Jornalista, pesquisadora, bacharel em geografia e pós em turismo.   




fonte: Rosane Michelis



AREEIRA anuncie aqui JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Simpatia ímpar, irradiando nesta primavera florida, a florzinha Renata de Almeida Leite Genunino, presença marcante como assistente administrativa da Sicmatur, sempre com aquela presteza peculiar ao atender as pessoas na secretaria, ilustrando hoje nossa coluna. Beleza e chame são fundamentais e Liandra Mendonça Pinheiro, experiente bióloga e coordenadora da Sicmatur, comprovam isso, no dia a dia to work, fina estampa do Novo Sol da High-Society. Visitando a gente na semana passada, o amigo Leandrinho, que já trabalhou no Correio e faz verão na Andorinha Transportes, como zeloso funcionário, matando a saudade, com a esposa Suélem, Mamy e titia, volte sempre garoto!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados