Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI novo
Judiciário: reforma ou caos
Data:08/08/2018 - Hora:06h49

Um sistema judiciário, com tamanho congestionamento processual como o nosso, denuncia a necessidade de uma urgente reforma, para que a sociedade não perca a fé na justiça. Se ela vem tarde, deve-se mais ao colapso estrutural do que à inércia de juízes, desembargadores ou ministros. Vários pronunciamentos de magistrados, doutrinadores de políticos sérios tem sido canalizados para reconhecer o crítico estado do Poder Judiciário brasileiro e exigir uma reformulação capaz de dar um mínimo de fôlego aos julgadores e impor mais celeridade ao trâmite processual. Apontam como responsáveis por esse emperramento: o excesso de procedimentos e a demasiada hierarquização das instâncias; e o acúmulo de matérias repetidas (com procedentes jurisprudenciais e sumulares que muito bem poderiam, ex-vi do efeito vinculante, se implantado, terem desfecho mais rápido); uma Constituição, cuja riqueza de detalhes (sob o pretexto de democratizar o acesso ao Judiciário e à defesa dos interesses) acabou por inviabilizar ainda mais a rápida prestação jurisdicional; enfim, um arcabouço jurídico anacrônico que faculta às partes o uso e abuso de recursos, muitas vezes com intuito proletário. Há algum tempo, o jurista Ives Gandra da Silva Martins disse que há um ano, o STF, com 11 ministros, recebeu 40 mil processos, contra apenas 350 da Suprema Corte dos Estados Unidos, a qual, com apenas nove membros, pôde escolher os 150 casos que julgaria. Isto demonstra que na corte brasileira 50% dos casos são matérias precedentes, muitas delas representadas por litígios envolvendo união, estados, municípios, autarquias e empresas públicas. A reboque de uma legislação que se, de um lado, facilitou – com suas novidades legiferantes e mecanismos de instauração da cidadania plena – o rápido acesso à Justiça, por outro, acabou por complicar o trâmite processual e impedir o rápido desfecho das demandas, tornando mais cara e demorada a solução dos conflitos.

Como o ilustre doutrinador, cremos mais na necessidade de uma mudança radical da estrutura da justiça e não dos juízes. Estes, na sua esmagadora maioria, competentes, lúcidos e incorruptíveis, fazem das tripas coração para dar fluxo aos milhares de casos que surgem diariamente. É salutar que se estude a proposta defendida por Ives Gandra, onde reclame, com toda legitimidade e justiça, uma alteração básica, porque, se o poder que defendem está impregnado de tanto anacronismo, torna-se impossível evitar a incompreensão da sociedade diante desse quadro. Por isso, que se faça uma revisão do Poder Judiciário, em suas diversas instâncias, sofre o terrível estigma da morosidade, pelo degradante acúmulo de questões: uma redistribuição de competências; a simplificação das leis processuais. Todavia, preservando-se o que de melhor possui, que é a integridade de seus componentes, visto que a morosidade administrativa é muito menos vinculada no âmbito do Poder Judiciário, que nos Poderes Executivo e Legislativo. Essas medidas serão o ponto de partida para agilizar o Judiciário e eliminar o grande lapso temporal, na composição de um sem-número de lides que pululam nas varas do Brasil (e acabam desembocando nos tribunais regionais e, daí, nas cortes superiores), pois, justiça tardia é injustiça flagrante, porque ineficaz.

A ministra Cármen Lúcia, atual presidente do Supremo Tribunal Federal, em 28.09.2017, divulgou um documento demonstrando toda prestação jurisdicional de seu primeiro ano de gestão à frente da Suprema Corte, iniciado em 12.09.2016. Com base no relatório, nota-se que foram realizadas 88 sessões do plenário, com o julgamento de 235 processos, dos quais 49 tiveram repercussão geral reconhecida. No tocante às decisões, o Supremo proferiu 118.860 decisões, sendo 105.624 monocráticas e 13.236 colegiadas. A título de curiosidade, no dia em que a ministra foi investida, o acervo do STF era de 60.909 processos. Durante o primeiro ano, foram recebidos 97.395 e baixados 111.718, resultando em um acervo atual de 46.586. Se levarmos em conta que os mesmos seguem o princípio da antiguidade, só temos os deste último ano? Não tem mais nenhum ministro com algumas centenas deles nas gavetas, aguardando que os réus autorizem o seu seguimento? Ou àqueles que o ministro pede vista e a vista dura 12 anos... Agora, pegue o custo do STF e divida pelo número de processos que ele julgou. Entenderam, leitores, quanto custa? Um ano tem 31.536.000 segundos. Foram julgados 118.860. Dividindo, temos um sendo julgado a cada 265 segundos. Ou seja, cada um é lido, analisado, e a decisão proferida a cada 4 minutos e 25 segundos considerando uma rotina de trabalho de 24 horas, por dia, em 7 dias por semana. ***___Rubens Shirassu Júnior, escritor, revisor de textos e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2017).




fonte: Rubens Shirassu Júnior



anuncie anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
High Society
Parabenizamos o pequeno Samuel Maciel, que ontem festejou seu primeiro aniversário envolto ao carinho dos papais Wellyngton Maciel e Darlene Floriano e da vovó Isabel. Desejamos que continue crescendo forte e saudável, e que a felicidade se multiplique por muitos anos. Feliz Niver!!! Em contagem regressiva para a chegada do primeiro baby o casal Vander Sousa e Janaína Sedlacek que não se cabem de felicidade e ansiedade para o dia tão esperado. Estamos na expectativa também já desejando um bom parto a futura mamãe. Abraço especial a supervisora pedagógica do Colégio Salesiano Santa Maria, Fabíola Campos Lucas, que desenvolve um trabalho digno de registro. Educadora nota mil que merece nosso respeito.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados