Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI novo
De 1997 à singular PEC-113
Data:03/08/2018 - Hora:02h01
De 1997 à singular PEC-113
Reprodução Web

Vinte e um ano após a novela da reeleição que custou aquela grana do povo para a aprovação da proposta de emenda constitucional permitindo que prefeitos, governadores e presidente pudessem disputar um segundo mandato consecutivo, a gangorra do tempo balança, lembrando que em 2015, com nova derrota daqueles que haviam em 1997 brigado pela tal reeleição, voltaram decididos a  acabar com tudo.  Retroagir no tempo, viajar antes da última década daquele século, quando não havia reeleição para cargos eletivos do poder executivo no patropi, foi o passaporte de chegada na estação PEC-113-A/2015, sem muito apito e o trem (mais pra VLT de Cuia), ainda parado na plataforma, sem um itinerário definitivo. Pelo último registro, vimos que o fim da reeleição para os tais cargos do poder executivo, iria voltar a ser discutido pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, no ano passado. Que o texto estava pronto para votação em Plenário e chegou a ser debatido pelos senadores em dezembro de 2016, mas houve um impasse em relação à duração dos mandatos. Muitos parlamentares defendiam um mandato de cinco anos para os cargos que não teriam reeleição e diante da controvérsia, o relator da matéria, havia pedido o retorno do texto à CCJ e deve ter parado pelai. Neste contexto, os analistas juramentados, discutem com palavrórios sem nexo, a tal reforma política, prós e contras da reeleição, mas ninguém se refere ao fim da reeleição para o poder legislativo, de câmaras municipais ao congresso nacional. Se um dos motivos alegados pelos ditos ilustres parlamentares é o fim da profissão de político, uma reeleição singular (só para cargos executivos) é café pequeno diante das inúmeras do legislativo, uma vitaliciedade para os tigrões saruês. Veja o caso do deputado federal Miro Teixeira com 11 mandatos, Henrique Eduardo Alves, reeleito em 2014, para o 11º mandato consecutivo, mesmo tempo de Ulysses Guimarães, que se não tivesse morrido, seria o líder da festança. Atualmente, dezenas colecionam mais de 20 anos no cargo, e claro, nunca vão aprovar uma reforma eleitoral que extinga a reeleição deles na mamata politiqueira. Não por acaso, o levantamento preliminar do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, apontou esta semana, que dos 513 deputados, mais de 90% tentarão a recondução ao cargo, algo em torno de 410, no mínimo, e de 480, no máximo. A necessidade de foro privilegiado a parlamentares que respondem a ações na Justiça, a base consolidada nas regiões de atuação política e a redução no tempo de campanha, que passou de 90 para 45 dias, seriam motivos dos eternos profissionais políticos, pretender concorrer ao mesmo cargo. E, claro, também as benesses nababescas, a grana pública para os saraus, viagens, mordomias dos cambaus, enquanto o povo sobrevive as duas penas sustentando com impostos a cambada, cujo CPF (Comissão Por Fora) engorda o salarião. Se em 1997, denuncias da imprensa mostravam cheques de R$ 200 mil pela aprovação da reeleição presidencial de FHC, imagine depois dos cala bocas recentes para abafar denuncias da Casa Grande, a teta está cada vez, mais gorda, insecável, (registre este vocábulo) e sempre cabe mais um, pois é. Seu Mané, a gente só vai acreditar numa reforma política, quando ela for ampla, total e irrestrita, sabe quando? Nunca, a depender da trupe brasiliana.   

 




fonte: Da Redação



anuncie anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
High Society
Flores multicoloridas a aniversariante do dia Ryvia Sodré que festeja a data ao lado do maridão Erze, filho Juninho, familiares e amigos. Que sua vida seja plena de alegrias, saúde e muitas prosperidades são os nossos sinceros votos. Destaque VIP ao querido José Ricardo Menacho que com sua voz maravilhosa abrilhantou o evento de inauguração do Natal Luz, cantando My way acompanhado pela Banda Sinfônica da Universidade do Estado de Mato Grosso. Um show de alto nível que merece nossos aplausos. Votos de felicidades ao mais novo casal Anderson Silva e Kamila Ladeia Segatto. Que essa união perdure para sempre e que o amor e o respeito sejam uma constante na vida a dois.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados