Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 27 de Junho de 2019
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
FIPe
Barulho histérico
Data:19/07/2018 - Hora:09h04

Os moradores de várias cidades do Brasil estão estressados, indignados e perplexos com a poluição sonora e a perturbação do sossego público provocadas por igrejas, por seitas e comunidades evangélicas. O volume alto das caixas de som entrecortado por gritos, choros e exaltações a Deus, de forma desesperada pelos devotos, que clamam por mudança em suas vidas, no sentido dos equilíbrios financeiro, espiritual e físico, ou na questão de saúde. Fica difícil classificar o que seria isto: um espetáculo teatral, de fundo emocional, de fanatismo exacerbado, com doses exageradas mesclando mediunidade do espiritismo, pela ânsia do que almejam, expressam confusamente palavras desconexas, sem clareza e sem objetividade, declarando ser uma língua que não pertence ao mundo terreno, além de exporem o íntimo aos confrades.

Esses adeptos do messianismo estão infringindo, primeiramente, a Lei de Contravenções Penais, no Artigo 42, quanto ao item da Lei de Perturbação do Sossego, com gritaria e algazarra, com abusos de sinais acústicos, invadindo as moradias e tirando o sossego de aposentados; de gestantes; de recém-nascidos e, principalmente, de uma faixa etária entre 60 a 90 anos, portadores de alguma doença degenerativa, a exemplo de câncer ou mal de Alzheimer. As comunidades agridem querendo impor através de seus gritos histéricos, estridentes e amplificados em decibéis, como forma de atrair a atenção do público dos bairros e arredores, para que venham visitar e, automaticamente, tornaram-se freqüentadores assíduos de seu culto, de seus conceitos e de seus hábitos, de seus costumes e do modo de vida. Tal ação estratégica primária invade também o universo particular. Por outro lado, o ato traz apatia, soa inconveniente e irritante. Uma grande parcela dos cidadãos chega após uma jornada intensa de trabalho e busca o descanso, o conforto e o sono tranqüilo. Que fique bem claro aos leitores: não sou contra a opção religiosa desses seguidores de comunidades e de seitas, pois tenho consciência do livre-arbítrio existente em nosso País. Percebe-se, sim, a falta de educação, de bom senso e de respeito à individualidade dos moradores. Assim, deve-se alertar aos fiscais da prefeitura a notificarem e façam os pastores cumprirem as normas, providenciando a instalação de acústica e portas adequadas, como acessórios que isolam o som. Verificar, também, se possuem o alvará de funcionamento e registro em cartório. Pelo que dispõe o Código de Obras alguns bairros são estritamente residenciais e existe artigo especifico que discorre sobre o impedimento de maquinário poluente em todos os sentidos. Além de contravenção penal, o bombardeio constante de som elevado trará problemas auditivos, pois altera o metabolismo do corpo humano aos moradores, além de outros males, decorrentes do alto stress. Acrescenta-se que a poluição sonora é prevista no artigo 54, da Lei de Crimes Ambientais (Lei Federal Nº 9.605/1998).

Neste “vale tudo” apelativo em que vivemos, desde o começo predominou a geocultura pelas fortes influências das teorias européias, uma prática que dura mais de 50 anos. Se o mesmo primitivismo está por trás do que acontece no Oriente Médio, devemos ficar atentos ao perigo do fundamentalismo e do fanatismo religioso, um dos violentos freios sociais. Este é um reflexo de que o Brasil tem vocação para a autofagia social. ***___Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2017)




fonte: Rubens Shirassu Júnior



JBA anuncie anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
A bela Aline Fontes, futura advogada e modelo agora alça novos voos, estreando no teatro da Light Rio  com a peça As Bruxas de Salém. Talento sabemos que tem, só nos resta desejar muito sucessos. Brindando data nova hoje o advogado Luis Mário Castrillon Mendes Araújo a quem enviamos votos de felicidades e muita saúde nesse novo ciclo de vida. Feliz Niver!!! Neuza, Eni e Ingrid Zattar, presença marcante na festança junina do Arraia da Riachuelo no click do amigo Wilson Kishi. Fica nosso registro.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados