Diretora administrativa: Rosane Michels
Terça-feira, 17 de Julho de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Porque perdemos as Copas
Data:11/07/2018 - Hora:09h45
Porque perdemos as Copas
Reprodução Web

Nesta Copa Mundial sediada pela Rússia, as derrotas de Brasil e Uruguai nas quartas de final e de Argentina, Colômbia e Peru bem antes, criaram uma situação inédita na história do torneio: pela quarta vez seguida uma seleção européia vai levar o troféu, já que desde 2006, times da Europa vencem a competição. Em 2018, apenas Brasil e Uruguai poderiam quebrar esse ciclo, mas acabaram perdendo para Bélgica e França, respectivamente. Lá se vão 16 anos sem vitórias de times sul-americanos, o último, foi a Seleção Brasileira em 2002, no Japão e na Coréia. Quatro anos depois, a Itália venceu o campeonato e conquistou seu quarto título. Em seguida, a Espanha ganhou o seu primeiro e, em 2014, Alemanha levou a taça para casa também pela quarta vez e agora, novamente a Europa come o bolo, a gente ficou apenas com as migalhas pelo caminho. E no país de mais de 200 milhões de técnicos de futebol em esquinas e botequins, a pergunta que não quer calar é o por que essa hegemonia está ocorrendo? Bem, não somos especialistas em futebol, gostamos sim de um campeonato brasileiro, de Mengo e Timão e por aí afora, mas só de ler e analisar fatos, concluímos que o intercâmbio de jogadores de vários países pode ser um dos fatores que melhoraram o futebol europeu nas últimas décadas.Isso amplia o abismo entre o futebol de clubes na América Latina e Europa e o que sobrou para nós, foi produzir jogadores, fornecer mão de obra que deixa jogadores ricos, clubes fortes e continuamos aqui com nossos campeonatos de terceira divisão mundial. Somos um país pobre, o que sobra para nosso futebol é sobra pobre, sem condições de competir com um Barcelona ou Real Madrid, por exemplo. Conseqüência disso, nossos bons jogadores, ficam muito dispersos pelo mundo, com poucas oportunidades de jogar juntos e quando chegamos as eliminatórias, vem a catação, a Seleção Brasileira, aquela legião de estrangeiros que, então passa a jogar junto, bate cabeça e cai quando chega a hora da verdade. A CBF é uma zona, basta ver a pregressa dos cartolas, um preso nos Estados Unidos, outro escondido da policia internacional, o oposto das confederações européias, bem mais organizadas, para elas, o futebol mais competitivo não é o de seleções, mas o de clubes.  Veja o glamour da Champions League, enquanto o nosso criativo futebol que nasce na várzea, ganha espaço nos clubes e certames, perde espaço para a especulação imobiliária. E não é só o caso do Brasil, aqui na America do Sul, as seleções apesar de terem jogadores nos principais campeonatos da Europa, enfrentam dificuldades para se adaptar a novas maneiras e táticas de jogar, mesmo porque os técnicos brasileiros não treinam grandes clubes europeus. Só pra finalizar, a eliminação do Brasil nas quartas de final da Copa da Rússia diante da Bélgica aumentou para 20 anos o jejum de títulos do país recordista de taças e não por acaso, como mencionado supra, considerando-se que a próxima copa será em 2022 no Katar. Neste ciclo que se encerra, a CBF jogou os dois primeiros anos no lixo ao escolher Dunga para comandar o processo para 2018, depois do vexame em casa em 2014. Com ele, o Brasil foi eliminado duas vezes na Copa América: nas quartas de final diante do Paraguai, no Chile, e na fase de grupos da edição centenária, nos Estados Unidos. Quando a CBF despertou para a gravidade do que havia feito, deu praticamente um ano e meio para o Tite, montar um time minimamente competitivo para as eliminatórias. Bastou enfrentar uma seleção talentosa, com um pouquinho do Brasil das antigas, ou seja, envolvente, driblador e com um pouquinho de diversão e arte, acabou o sonho utópico.




fonte: Da Redação



anuncie AREEIRA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Com eficiência ímpar, as funcionárias da Biblioteca Municipal de Cáceres, Carla Kruger e Divina Aparecida Santos Conchev, estão sempre buscando divulgar com dinâmica e eficiência aos frequentadores da casa de cultura da Rua Padre Casimiro, as atividades lúdicas do estabelecimento, voltado à salutar pratica da leitura e pesquisas.  Registramos marcando mais um golaço no placar da vida Wellyngton Maciel, que recebe os abraços calorosos da companheira Darlene, da mãe Isabel, do filhão Samuel e do rol de amigos.  Que essa data se reproduza por muitos anos, sendo festejada com saúde e felicidades são os nossos votos.  Ilustrando a página hoje, a simpática professora Elaine Glerian, do corpo docente da Escola Estadual Onze de Março, (antiga Ceom) na disciplina de química, articuladora do Projeto Parlamento Jovem no estabelecimento de ensino de Cáceres, que teve este ano um aluno selecionado.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados