Diretora administrativa: Rosane Michels
Sexta-feira, 20 de Julho de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI
O Rio, o turismo e o carnaval
Data:14/06/2018 - Hora:08h38

O eminente professor, mestre e doutor gaúcho Voltaire Schilling me ensinou que o “Carnavale” é a festa popular e profana mais antiga da humanidade. A parada existe há cerca de 1.000 anos antes de Cristo (para horror dos criacionistas) e o Rio da época era a antiga Grécia. Na falta de Momo, o rei do bloco era Dionísio que depois foi rebatizado em Roma como Baco. Este você conhece como bom cachaceiro tupiniquim que deve ser... Uma curiosidade é que a festa da carne nestes saudosos dias era feminina pois eram as raparigas que idolatravam o Dionísio. Era um momento de calma e reflexão, aonde as moçoilas escapavam dos maridos e caiam na folia com os primeiros Ricardões da fuzarca. Tive a oportunidade de conhecer o professor Schilling em Curitiba, nos tempos de faculdade de jornalismo. Ficou na minha mente a parte discreta da palestra dele em que afirma que até as escaramuças de fronteira eram suspensas durante a festa. Ninguém era atingido por bala perdida, nenhum policial assassinado e nenhuma carga roubada. Interessantes estes Gregos.

O Carnaval deste ano deve ter gerado uns R$6bi, e movimentado 11 milhões de foliões. Note que 85% deste caraminguá todo foi para alimentação. Apenas R$706 milhões foram para meios de hospedagem, ou seja menos de 12%. Estes dados são da CNC (Confederação Nacional do Comércio), publicados pela revista Exame no seu portal, dia 9 de fevereiro. Desta numerologia toda, também podemos extrair que a RIOTUR (não necessariamente a fonte mais confiável da imprensa) declarou receber 1,5 milhões de turistas no Rio durante o Carnaval, ficando com R$1,9bi do butim momesco. A proposição é a mesma: R$228 milhões para a hotelaria em todo o Estado. Isto tudo, tin-tin por tin-tin, acabou com uma receita 10,5% menor do que 2017. No cenário nacional vale destacar o Ceará, que cresceu 9% em relação ao evento do ano passado sem ser assim, o berço do samba. Para concluir, a Exame chamou a minha atenção com um dado cívico, travestido de estatístico: 1.649 municípios não contribuirão financeiramente com o carnaval pois existem outras prioridades (50%); porque não tem caixa destinado ao carnaval (45,4%) ou porque tem outras demandas da sociedade (7,9%). Outras prioridades? Não tem caixa? Existem outras demandas da sociedade? Sério, prefeito? O que pode ser mais importante que o carnaval? Febre amarela, saneamento ou fila de exames? Polícias com estatísticas de guerra? Professores ganhando pouco mais de um salário?

Escrevo estas linhas em dias pós intervenção na segurança do Rio. A reunião deliberativa entre os poderes da República e o governador Pé Esquerdo aconteceu logo após o carnaval, e ocorreu em meio à escalada de violência registrada no Rio de Janeiro. Houve arrastões, assaltos nos blocos, pessoas foram roubadas a caminho da Sapucaí, saque a supermercado, entre outros crimes, da Zona Sul até a Zona Norte da capital. Além disso, três PMs foram mortos durante o carnaval. Fantasias de coveiro e de Gordon Gekko se alternaram entre as mais vendidas nos submundos dos “entre-desfiles” Cariocas. Comunidades sitiadas, polícia de folga, prefeito comendo piparkakku em Helsinki e o governador Pé Esquerdo no seu retiro em Piraí. Resultado disso? para horror dos puristas, nunca São Paulo teve um carnaval tāo popular e cheio de blocos nas ruas. Cervejas artesanais, food trucks e e a paulistada bonita sambando assim, vá... bem até, para quem precisa trabalhar o ano todo. O Rio perdeu o bonde do turismo e não irá se recuperar nos próximos muitos anos. Veja, a beleza masculina ou feminina pode ser uma maldição para quem não tem conteúdo. A beleza natural não significa nada em face da sujeira, da violência explícita, da desgraça da estrutura e dos preços exorbitantes.

Enquanto isso, turistas nacionais trocam a Guanabara pela Bahia, ficam em casa sambando em Belo Horizonte e em São Paulo. O samba pode até ser meio quadrado mas daqui, a gente sai vivo para curtir, quem sabe, o próximo carnaval.***___Julio Gavinho é executivo da área de hotelaria com 30 anos de experiência, fundador da doispontozero Hotéis, criador da marca ZiiHotel,  sócio e Diretor da MTD Hospitality




fonte: Julio Gavinho



JBA AREEIRA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
High Society
Destaque VIP de hoje aos integrantes do Interact Club de Cáceres que se consagraram campeões do Desafio Distrital na Codiirc 2018 com o Projeto Em tempo parabenizamos o competente Edmilson Tavares de Oliveira que comemorou ano novo ao lado dos familiares e rol de amigos que entoaram o tradicional parabéns. Que Deus em sua infinita bondade lhe presenteie com um ano pleno de vitórias, realizações e muita saúde. Feliz Aniversário! Nosso brinde com votos de felicidades ao casal Carlos Alberto e Leiko Hayashida que ontem celebraram 20 anos de união, pautada no amor, respeito e companheirismo. Que essa data seja sempre festejada por muitos anos.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados