Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 22 de Agosto de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
QI
Encanto sedutor da linguagem
Data:24/05/2018 - Hora:08h11

A frase “o texto é a fonte de vida da propaganda, tudo o mais são acessórios”, de Stanley Resor, publicitário da maior agência do mundo, mostra que a maioria das soluções persuasivas expressas em palavras, origina naturalmente de redatores. Em princípio, o recurso editorial tem maior poder de envolvimento do que as imagens. Somente as palavras movem montanhas, quanto às imagens, não. Dentro desse contexto deve-se conscientizar a indiscutível soberania do redator, através de frases, títulos, textos – palavras. A primeira impressão é a que fica. É comum acontecer nos anúncios, uma ilustração em destaque, bela e expressiva, com um texto rudimentar, surgindo assim a necessidade imprescindível em cena da técnica de um exímio redator, a fim de lhe dar concisão, ritmo, fluência – para complementá-la. Mas técnica não é criatividade, está aquém dela, posterior à descoberta da solução, profundamente ligada ao campo da argumentação e debate. Uma propaganda impressa, vinculando o título com o texto, é aquela que argumenta, fundamentalmente, expõe um partido, uma peça de oratória consumista, uma elegia com fins práticos, sedutores. Tal a importância, a necessidade das pessoas envolvidas em sua criação estarem realmente “febris” com o que vão anunciar. Exemplo da imagem invocada é a do encantador de serpentes que, no meio da multidão curiosa, toca passivamente a sua flauta, levantando-a vagarosamente do cesto, encantando e deixando boquiabertos os espectadores. Realmente, truque e hipnose!

Ao elaborar o apelo, expondo-se à argumentação, estruturando a mensagem em si, é importante que o texto não exija do leitor ou ouvinte qualquer esforço para compreendê-lo ou percebê-lo. Não se deve esperar do público qualquer predisposição ou interesse em descobrir o que se deseja vender-lhe. É preciso dizer, da maneira mais clara e simples possível, o necessário, nada mais que o necessário, a fim de facilitar-lhe a compreensão, eliminando todos os obstáculos de fazê-lo recuar. Diríamos mais: A mensagem deve ser-lhe familiar, sem com isto deixar de ser nova. Os anúncios de produtos culturais são meios de evolução do próprio público. Com eles, o público tem aprendido muitas coisas novas, além de comprar e usar o produto anunciado, alterando os seus hábitos de vida, melhorando um novo gosto pela literatura, pelo estudo, revelando-lhe novas palavras, seu uso e sua concordância. Todavia, a boa redação deve reunir simplicidade,clareza e objetividade, sem perder nas formas complexas e muito literatas. O texto de publicidade é uma forma de jornalismo mesclada com literatura. A originalidade deste está em sugerir, em criar novas formas de convencer, em ter força atrativa, fugindo ao comum.

O texto não é invenção do redator. Muito ao contrário, o redator tem sua liberdade limitada à própria finalidade do produto, suas utilidades, seu público. Há a necessidade de o texto ser uma exposição honesta. Não adianta inventar qualidades para o produto ou serviço, armar uma argumentação ideal, se o produto não tem essas qualidades, se não é suficiente para provar-se, no uso, junto ao público. O falso texto poderá resultar na primeira venda, porém, está fadado a não produzir a continuidade do uso. Para vender ao público, é indispensável que o redator tenha comprado o produto. Isto é, tenha se convencido de suas qualidades, pois somente assim estará em condições de, inflamado, poder transferir ao público as suas impressões, a sua convicção, dando vazão ao seu espírito criativo, idealizando situações novas de uso, encontrando argumentações favoráveis ao produto. Expressar com clareza e convicção as qualidades reais do produto, criar e indicar condições mais favoráveis ao uso, estabelecer seus pontos principais de venda são fundamentais ao texto. Mas não se espera de um redator a criação de “algo excepcional”, se ele próprio não se convence de que o produto é bom. ***___Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2017)




fonte: Rubens Shirassu Júnior



AREEIRA JBA anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Brinde especial a nossa leitora assídua Cibeli Simões que festejou data nova no domingo e recebeu o carinho especial dos familiares, amigos e colegas da OAB. Que seus sonhos se tornem realidade e que esse ano seja repleto de alegrias, saúde, vitórias. Parabéns!!! No rol dos aniversariantes o competente delegado Alex Cuyabano a quem enviamos os votos de felicidades, rogando ao Criador infinitas bênçãos nesse novo ano de vida que se inicia. Muitas felicidades pra você Kelly Prado. Que todos os seus sonhos e metas sejam alcançados, sem esquecer do mais importante, que você seja muito, mas muito feliz.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados