Diretora administrativa: Rosane Michels
Domingo, 18 de Novembro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Outra face da Censura
Data:17/05/2018 - Hora:08h34

Há 15 dias um escritor e historiador teve um capítulo do livro censurado pelo editor, no fechamento da edição para impressão, o empresário alegou que investe em ações de grandes corporações citadas na ficção do autor. Como produzo literatura e análise crítica estou com a “pulga atrás da orelha” sobre o meu direito de escrever com liberdade - e todos os cidadãos brasileiros têm uma ameaça concreta pesando sobre a liberdade de expressão. Nem todos, porém, sabem o que está ocorrendo. Sempre existiu tendência repressiva contra as obras de arte que espalham a realidade social. Assim, os problemas sociais são atacados na sua expressão artística e não mais nas suas causas efetivas. Levanto algumas pontas dos véus negros que costumam cobrir esses atrapalhos do poder. Porque, a aplicar-se o mesmo critério, deveria mandar-se apreender toda a grande literatura mundial, em que os autores descreveram situações que envolviam figuras infantis, desde um William Shakespeare, passando por Lewis Carroll até Wladimir Nabokov. Isto não é nada, comparando-se a todos aliciadores que manipulam meninas de 12 anos nas esquinas do Brasil. São as cenas reais e terríveis que muitos pais fazem vista grossa pela fome de pão e aconchego, retrato da indústria da carência. Nem tanto erudito, mas sensato, acrescento que nem a Bíblia, na chamada Vulgata Latina, escaparia de condenação, já que nem a língua casta de Jerônimo disfarça o tratamento obsceno com que foram violentados os anjos em Sodoma ou o lenocínio de Mardoqueu, no livro de Ester.

E vejo na proibição uma ação profundamente farisaica. Para o psicanalista Hélio Pelegrino, “a tarefa do escritor é trabalhar a língua em nome da comunidade” e esse ofício deve ser estimulado e garantido pelo Estado, através de uma absoluta liberdade de expressão. De outro lado, não foram poucos os que viram nas cenas de nu jogos sensuais e narcisismo exacerbado ou a forma gratuita, além de normal, de temas como a gravidez precoce, entre outros. Imoral, acima de tudo, é a intolerância. Trata-se de um tiro no pé, pois a sanção volta-se contra a intolerância e consagra a liberdade de expressão. Não temos lembrança de quem proibiu James Joyce, Gustave Flaubert. D. H. Lawrence, Marcel Proust, entre outros casos famosos. Mas os censurados tornaram-se inesquecíveis.

A reação do leitor, do internauta e do telespectador brasileiro tem sido a solidariedade. País de fortes tradições católicas, parece haver um consenso que leva a dar atenção ao que sofre, confortá-lo com a nossa piedade. Claro que são de diversa natureza os motivos que levam o público a procurar o que foi proibido, desde os tempos imemoriais do paraíso terrestre, onde o fruto proibido era o mais apetecido (e continua sendo), mas no geral constata-se uma atenção toda especial para com o censurado. Ao contrário do que poderia esperar a censura, o livro ou as cenas de cinema, novela ou teatro adquirem um charme adicional com a proibição. O estigma funciona ao contrário. Como se vê, os critérios são vagos e são os costumes que realmente cumprem a função de interpretar as leis. Uma curiosidade cruel: essas diversas censuras sempre perseguiram os contemporâneos, excluindo por norma, os clássicos. É claro que a história não demora muito a transformar contemporâneos em clássicos mas, enquanto isso não ocorre, nenhum espírito por mais conservador que seja vem a indignar-se quando lê a palavra whore ou bitch (“puta”) em Shakespeare. ***___Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2017)




fonte: Rubens Shirassu Júnior



AREEIRA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
High Society
Abrindo nossa High Society neste dia a linda Fernanda Emilie Ferreira Lima que completa mais um ano de vida recebendo o carinho especial dos familiares, amigos e do namorado Aderbal Michelis. Desejamos que essa nova fase venha com a felicidade que você merece, para que continue contagiando a todos com seu bom humor. Que esse seja só mais um de bons anos que virão. Feliz aniversário!   Sempre atento as notícias mais mais da Princesinha,  Francisco Vieira ao lado da competente equipe do grupo Park dos Ipês,  que acompanham todas as manhãs nosso trabalho. Agradecemos a preferência e desejamos uma ótima quarta-feira.   Registramos trocando de idade amanhã o economista Wilson Carlos Fua a quem enviamos os mais sinceros votos de felicidades e muitos anos de vida. Na foto com a esposa Maria da Conceição (Lola).
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados