Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 28 de Maio de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Carlitos e Dona Torina
Data:24/04/2018 - Hora:08h37

Esta semana me pus a meditar sobre a vida de Dona Castorina, uma senhora de 70 e uns anos, como ela diz, ainda não estreou os 80 e até lá é uns mesmo, que se dane o calendário, aliás, é indecoroso, perguntar a idade de uma dama, repreende a Dona Torina, como gosta de ser chamada. Religiosa, não esquece nunca do rosário de Nossa Senhora Desatadora de Nós, das agulhas de crochê, a menina tem uma vista digoreste! Não usa óculos de grau, só um ray-ban moderno quando vai à Praia do Daveron, de vês em quando. Dona Torina era amiga da mamãe que viajou mais cedo e sempre falava da amiga, do passado,  enquanto ouve Siboney, Lábios de Mel e outras, da sapoti Ângela Maria no seu toca-discos; conforme diz, lembra dos bons tempos, do footing na Praça Barão dos anos 30 do século passado. Ela ficou viúva de Seu Genésio, um carapina, aos 50 anos, com o qual teve um casal de filhos, Jacinta, homenagem a menina que viu a virgem em Fátima, e Máximo, homenagem ao bispo Dom Máximo Biennès, amigo de seus pais. Morando sozinha, quando a gente pergunta pelos filhos, ela diz que os meninos, estão por aí, Fatinha trabalha em Cuiabá, é dentista e Max, montou comercio em Rondonópolis, vão vivendo. Vez por ano, aparecem, trazendo a netaiada, são quatro, (um dela e três dele) genro e nora, ficam uns dias e depois se arribam. Saudades? Ah, ela diz que sente sim, mas sabe curtir a danada, e, quando ela bate, liga prumas amigas, vai jogar bozó e falar mal da vida alheia, conclui numa risada gostosa. Não sei porque me lembrei de falar de Dona Torina hoje, quiçá depois de ler uma croniqueta de Charles Chaplin, que passo a vocês:“A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso. Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade. Você vai para o colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?” Não seria exagero dar razão ao Carlitos Chaplin, que sabia das coisas e como sabia, o gênio do cinema mudo, preto e branco, colorido com as luzes da ribalta em seus tempos modernos de antanho. Neste mundo mágico, nos deparamos com Evan Briggs, que descrevia ser difícil ignorar a sensação de isolamento dos moradores quando entramos num asilo, e ainda mais difícil conciliar isso com o fato de que a velhice virá para todos nós, inevitavelmente. Com certeza, por isso, Dona Torina prefere viver seu asilo particular, envolta nas lembranças, nos chás com as amigas, no crochê e nas contas do rosário antes de dormir. Na nossa cultura obcecada pela juventude em ritmo acelerado, o ser humano em sua maioria, não quer ser lembrado de sua própria mortalidade. Seria mais fácil desviar o olhar? Acredito que não, a gente precisa sim, aprender a envelhecer, sem se preocupar com isso, não é mesmo? Quer exemplo melhor do que nossa personagem Dona Torina? ***__Rosane Michelis – jornalista, bacharel em geografia e pós em turismo.




fonte: Da Redação



anuncie aqui anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
High Society
A Estação do Outono decreta três dias de felicidades, lédice e júbilo, face ao níver da Rosa-Flor-Mulher Rosane Michelis, que na próxima segunda feira, 28, estréia nova idade, em clima festivo com seus familiares e uma legião de amigos. Integrando este rol privilegiado, queremos ao registrar as homenagens à aniversariante, com amplexos e votos de felicidades mil à titular desta coluna, inserindo um very good Happy Birthday, blonde Rosane! A sempre simpática Maridalva Amaral Vignardi, decana titular da Radio Difusora de Cáceres, curtindo o sucesso da nova Nova FM, 97,3, que substituiu a AM 820. Ela afirmou que a Nova FM só tocará musica sertaneja e aplaudiu as musicas do jornalista musico do Correio Cacerense Lorde Dannyelvis, que passam a fazer parte do repertório da emissora. Felicidades, Paz, Amor e vitórias é o que desejamos a elegante Milene Oliveira, nossa eterna Miss Cáceres, que celebrou data nova e merece nosso forte abraço. Feliz Aniversário!!!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados