Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Já deu de protagonista de novela!
Data:30/03/2018 - Hora:09h24
Já deu de protagonista de novela!

Pensando que protagonista não deve só ficar ocupando vaga em novelas e seriados, decidi, dentre tantas reivindicações possíveis, levantar mais uma bandeira: a do protagonismo político e social. Não se trata de modinha passageira. O protagonismo descrito, mais do que um blefe, ou mais do que uma sugestão, significa estimular a participação de todas e todos no espaço público. Não há protagonismo sem participação. Não é o destaque individual, a fama ou o culto à personalidade que convertem uma pessoa em protagonista. É a participação maciça, dialogada e compartilhada no espaço público que consegue essa proeza. E consegue, porque mobiliza e articula interesses dos mais plurais em prol de causas mais amplas, que não são egoístas ou oportunistas, causas que são sensíveis ao real, ao que diariamente bate em nossos rostos e fingimos desconhecer, causas que abrem nossas mentes e corações para um novo tempo, a ser construído, diga-se de passagem, por nós mesmos, a partir de nossas lutas e conquistas. E para que isso ocorra, é preciso transcender os discursos e os anúncios. De lero lero, meus caros, “o andar lá de baixo tá cheio”.

Sabe, andei reparando que nos falta discutir um pouco mais sobre o tipo de participação que queremos. Falamos em participação aqui e acolá, contudo, não temos muita noção do que se trata e de como se manifesta.

Bom, a princípio, já que o Brasil é um país de democracia representativa, dizem que participar seria votar. Em cada eleição então, escolheríamos nossos candidatos, fazendo aí uma avaliação de suas propostas e de suas leituras de mundo – como pensam, como se posicionam e como reagem diante de assuntos caros a nós mesmos. Está aí, isso já seria participar. Ponto final e nada mais. Obviamente que a participação está para além disso. O direito ao voto, exercido em dois e dois anos, pura e simplesmente não consegue reunir em si, todos os elementos que ainda podem ser colocados na conta da participação. A listinha é (e pode ser) bem maior. Se só o voto fosse utilizado como exemplo de participação, estaríamos perdidos. Há mais coisas. Muito mais. Dizem também que tendo dado o voto a um candidato, independentemente do resultado – se eleito ou não – após o pleito, é importante

ficar de olho em quem tiver tomado posse, fiscalizar seus pronunciamentos, suas ações e serviços. É, faz sentido. Digamos que começamos a engrossar o caldo da participação.

Acompanhar os candidatos eleitos por nós, é uma atitude um pouco mais proativa, quando comparada apenas ao exercício em si do direito ao voto. Continuar atento ao que fazem ou ao que deixam de fazer, a apresentação de projetos de leis, as audiências públicas organizadas, suas ausências nas sessões e suas viagens porventura não justificadas, por exemplo, demonstra que, depois das eleições, não cabe a nós, eleitores e eleitoras, lavar as mãos, visto que a representação que admitimos não é um cheque em branco, há deveres a serem respeitados. Mas não para por aí. Dizem mais. Dizem que a participação, aliada às ideias anteriores, é se manter bem informado, atualizado, saber tim tim por tim tim, por “a” mais “b”, de tudo o que acontece no Brasil e no mundo, e se quiser ainda, a depender do interesse, de tudo o que acontece inclusive no universo. E as informações acumuladas – e aqui começa o perigo – não carecem de investigação alguma sobre suas fontes. As pessoas que disseram, a forma como disseram e o que disseram não têm muita relevância. Pra que perder tempo com isso, se o que importa é ter a informação consigo. E quanto mais tiver melhor. E se tiver dados estatísticos, nossa! Fica melhor ainda. Olha, parece piada, mas é o que dizem e é o que fazem. É o que, na verdade, muitos fazem. E muitos fazem com gosto, com vontade mesmo, o que é ainda pior.

Participação não combina com senso comum, com boataria, com disque me disque, com achismos e, principalmente, com fontes únicas. As informações são importantes, manter-se informado é importante. Acredito inclusive que estar antenado é um incentivo e tanto para a participação. Mas isso não pode ser entendido como uma carta branca para a reprodução e o repasse de qualquer notícia, sem ao menos consultar sua origem. Não é a quantidade que faz a diferença, mas a sua qualidade. E a qualidade é filtrada por nós mesmos, e não por um terceiro iluminado a nos guiar. É filtrada a partir do momento que passamos a questionar e problematizar o que vemos, ouvimos e sentimos. Pra variar, dizem muita coisa, com frequência fazem isso. E assim continuam: dizendo muita coisa. Dizem tantas vezes e com tanta insistência, que passamos a não mais suspeitar sobre o que dizem. De tanto dizerem, passamos a replicar o mesmo discurso. Saímos então dizendo e aceitando o que já foi dito, até porque, não custa nada para nós repetir o que já disseram. A distorção vira verdade, e do dito pelo não dito, naturalizamos.

Como mencionei a participação não se resume ao voto, tampouco se resume à fiscalização dos nossos representantes, muito menos ao número de informações captadas pelos jornais e redes sociais afora. A participação no espaço público exige mais de nós. A participação exige uma postura ativa e responsável diante dos fatos sociais; exige dúvida e desconfiança dos dogmas que espalham pelas ruas e esquinas; exige disposição e solidariedade de modo a provocar em si e nos outros sentimentos de inquietação e de não-conformismo; exige análises e leituras de novos planos para a concretização de justiça social; luta, a participação exige de nós luta. E não se trata de uma luta parcial, quase minguando, por uma ou duas batalhas, mas uma luta constante, intensa. Uma luta que seja renovada pelos nossos desejos de apreciar e saborear, para hoje, e para o futuro, novos amanheceres. ***___José Ricardo Menacho - Professor do Curso de Direito da Unemat/Cáceres.




fonte: José Ricardo Menacho



anuncie anuncie aqui
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
High Society
Parabenizamos o pequeno Samuel Maciel, que ontem festejou seu primeiro aniversário envolto ao carinho dos papais Wellyngton Maciel e Darlene Floriano e da vovó Isabel. Desejamos que continue crescendo forte e saudável, e que a felicidade se multiplique por muitos anos. Feliz Niver!!! Em contagem regressiva para a chegada do primeiro baby o casal Vander Sousa e Janaína Sedlacek que não se cabem de felicidade e ansiedade para o dia tão esperado. Estamos na expectativa também já desejando um bom parto a futura mamãe. Abraço especial a supervisora pedagógica do Colégio Salesiano Santa Maria, Fabíola Campos Lucas, que desenvolve um trabalho digno de registro. Educadora nota mil que merece nosso respeito.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados