Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
O caos armado de rodas
Data:29/03/2018 - Hora:07h19

Em Cáceres, hoje, tudo é voltado e (mal) planejado para as necessidades dos automóveis. Parece que as pessoas, em sua imensa maioria, desaprenderam a caminhar ou a se deslocar de outras maneiras. Mesmo para trajetos de 500m, elas optam pelo uso do veículo, seja próprio ou de transporte coletivo, talvez até pelo suposto status que o veículo particular possa conferir ao cidadão. Há uma enorme preocupação da Prefeitura em cuidar das pistas de rolagem, mas nenhuma em manter as calçadas minimamente trafegáveis para os pedestres e cadeirantes. É como se as calçadas fossem “terra de ninguém”; como se nenhum incauto fosse ousar caminhar a pé por elas. Acontece que há milhares de brasileiros que, por consciência ou por falta de opção, precisam caminhar pelas calçadas. E como é duro ser pedestre nesta cidade. Em muitos casos tornam-se praticamente invisíveis, pois os motoristas jogam seus carros sobre eles sem a menor cerimônia, dando ainda a entender que eles, pedestres, os estão atrapalhando em suas manobras, principalmente, nas entradas e saídas de garagens seja de edifícios residenciais e estacionamentos de bancos. É como se a calçada deixasse de ser, sobretudo, o caminho reservado aos pedestres para ser, prioritariamente, entrada e saída de veículos. Além disso, os níveis da falta de educação e outras manifestações grotescas dos motoristas têm passado de todo e qualquer limite aceitável. Eles metem as mãos nas buzinas a qualquer pretexto, convergem sem acionar o pisca de sinal das lanternas, a qualquer hora, não importando se a zona é residencial ou se há crianças e idosos por perto. É a barbárie. E na maioria dos casos, as criaturas grotescas são produzidas por pessoas que se autointitulam como sendo de bem. Parece haver muita gente que acha que educação, respeito e boas maneiras não precisam se estender ao trânsito motorizado.

As preocupações dos governantes com o transporte público estão muito aquém de onde deveriam estar. Os investimentos em transportes integrados, que possibilitem aos cidadãos se moverem de maneira rápida e digna em Cáceres são infinitamente menores do que efetivamente essa cidade precisaria. E olhe que as passagens são caras. Pagamos alto para andar como sardinhas em lata, em ônibus reformados e cujos horários (em média de 40 a 50 minutos de espera num ponto de ônibus) e a frequência de partidas sempre estão longe de serem os ideais, gerando a superlotação cotidiana. Além do atraso nos compromissos como trabalho e consultas médicas, as consequências comprometem a credibilidade do(a) cidadã(o) gerando advertências no emprego e criando a imagem negativa da irresponsabilidade. Você fica entre a cruz e a espada! Projetos para amenizar o problema do poder público, de urbanistas e de engenheiros de trânsito com pedestres e motoristas em geral, praticamente não existem. Pouco se investe em passarelas, no aumento de alternativas que amenizem o engarrafamento no trânsito e em reais incentivos, a exemplo de campanhas educativas; para que a população adotasse de maneira segura e confortável, o uso das bicicletas em nossas ruas e avenidas, diminuindo, no decorrer do tempo, o congestionamento caótico na área central de Cáceres (como a construção de um estacionamento vertical). Por enquanto, tudo se resume aos carros, tudo se destina aos carros. Eles são os donos das ruas e dos corações e mentes da maioria das pessoas, inclusive daquelas que detém o poder e que, se quisessem, poderiam começar a mudar essa situação. Enquanto isso, ser pedestre, usuário de transporte coletivo, motociclista ou ciclista em Cáceres, no Mato Grosso, como também em São Paulo e Sobradinho, no Distrito Federal, são atividades de alto risco, para as quais não há garantias ou preocupações por parte de ninguém. ***___Rubens Shirassu Júnior, escritor e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2016).




fonte: Rubens Shirassu Júnior



JBA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Parabenizamos o pequeno Samuel Maciel, que ontem festejou seu primeiro aniversário envolto ao carinho dos papais Wellyngton Maciel e Darlene Floriano e da vovó Isabel. Desejamos que continue crescendo forte e saudável, e que a felicidade se multiplique por muitos anos. Feliz Niver!!! Em contagem regressiva para a chegada do primeiro baby o casal Vander Sousa e Janaína Sedlacek que não se cabem de felicidade e ansiedade para o dia tão esperado. Estamos na expectativa também já desejando um bom parto a futura mamãe. Abraço especial a supervisora pedagógica do Colégio Salesiano Santa Maria, Fabíola Campos Lucas, que desenvolve um trabalho digno de registro. Educadora nota mil que merece nosso respeito.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados