Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 18 de Julho de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Mel Di Pietro, a denúncia é o caminho da libertação
Data:13/1/2018 - Hora:08h36

Nas minhas férias passei dias muitos agradáveis com a família. Mesmo de férias escrevi um artigo no dia 31 de dezembro de 2017 para a minha página no facebook, sob o título “Porradas Tiros e Fogos de Artifícios”, que trata da violência contra a mulher.

Bom, fui surpreendida, assim que cheguei em casa, com o link que recebi de uma matéria publicada pelo site Folhamax sobre a matogrossense Mel Di Pietro, que usou a sua página pessoal do Facebook para relatar e mostrar imagens da agressão que sofreu do seu ex-namorado, o segurança Daniel Angelo da Silva, de 28 anos.

As imagens são impactantes. O rosto todo transfigurado pelos hematomas da agressão sofrida, passível de comover qualquer pessoa que tenha o mínimo de sensibilidade, mas principalmente outras mulheres que já tenham passado ou passam por isso. Porém, o mais surpreendente nisso tudo é quando se lê os comentários da matéria publicada pelo site. Quanta covardia! Quanta hipocrisia! Quanto preconceito! Quanto! Quanto! Quanto!

Esse artigo é escrito especialmente para o Zé, Rochinha, PVA do Leste, José, Vanderleia Popozuda, Rolainy, Tom, Jeferson, Pedro, Elias, Cuiabano, Marcelo, João Batista, pessoas que não mediram o vocabulário para despejar todo o seu preconceito, sua hipocrisia, sua covardia. Isso mesmo, covardia! É muito fácil se esconder por traz de um pseudônimo e dizer tudo que os senhores e senhoras disseram.

Aliás, covardia é a principal característica de um agressor de mulher, pois perante os homens os mesmos são cordeirinhos. A força de um homem é muito superior a de uma mulher, por isso não existe nada que justifique tamanha violência, tamanha covardia.

A Jovem, Mel Di Pietro, está de parabéns pela coragem que teve ao expor e denunciar seu agressor, principalmente morando em um País como o nosso, onde a legislação é tão branda. A pena para lesão corporal de acordo com a legislação brasileira é de 03 (três) meses a 03 (três) anos de detenção, podendo, nesse caso, em razão do crime ter sido cometido com emprego de violência, ser agravada em 1/6, mas se o Réu for primário, ao final provavelmente a pena poderá ser convertida em mera prestação de serviços a comunidade.

Nota-se então, que embora as coisas tenham evoluído bastante com a Lei Maria da Penha e também com a criação das delegacias especializadas na defesa da mulher, o Poder Público não consegue garantir a segurança da vítima, seja pela omissão da legislação, seja pela falta de estrutura ou pela burocracia.

Desta forma, a vítima de violência doméstica, precisa sim de muita coragem para denunciar o agressor, pois muitas mulheres são assassinadas por seus excompanheiros, após já terem denunciado, de já possuírem medidas protetivas, inclusive. Muitas vezes, depois que elas acham que já estão livres, que conseguiram a tão sonhada liberdade.

Então, quando vejo pessoas tão pequenas e preconceituosas, como às que citei, usando de pseudônimo para criticar vítimas de um crime tão bárbaro, penso em sua covardia e me convenço que devem se tratar também de agressores de mulheres, só isso justificaria a conduta de jogar a culpa na vítima. Geralmente é assim que o agressor se comporta, ele justifica seu crime responsabilizando a vítima.

Triste saber que a jovem Mel Di Pietro não foi e não será a ultima vítima, afinal sempre existirá um Daniel Angelo da Silva a espreita, jovens que aparentam ser normais mas que no fundo são cínicos, dissimulados, truculentos, controladores, incapazes de amar, covardes e cruéis.

A nós resta continuar denunciando e nos unindo, sempre é claro, pedindo a Deus que nos Livre de todo o mal, amém.

 

SIRLEI THEIS, Advogada Pública e ex-vítima de violência doméstica

email: sirleitheis2017@gmail.com




fonte: SIRLEI THEIS



anuncie AREEIRA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
zoom
High Society
Com eficiência ímpar, as funcionárias da Biblioteca Municipal de Cáceres, Carla Kruger e Divina Aparecida Santos Conchev, estão sempre buscando divulgar com dinâmica e eficiência aos frequentadores da casa de cultura da Rua Padre Casimiro, as atividades lúdicas do estabelecimento, voltado à salutar pratica da leitura e pesquisas.  Registramos marcando mais um golaço no placar da vida Wellyngton Maciel, que recebe os abraços calorosos da companheira Darlene, da mãe Isabel, do filhão Samuel e do rol de amigos.  Que essa data se reproduza por muitos anos, sendo festejada com saúde e felicidades são os nossos votos.  Ilustrando a página hoje, a simpática professora Elaine Glerian, do corpo docente da Escola Estadual Onze de Março, (antiga Ceom) na disciplina de química, articuladora do Projeto Parlamento Jovem no estabelecimento de ensino de Cáceres, que teve este ano um aluno selecionado.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados