Diretora administrativa: Rosane Michels
Terça-feira, 24 de Abril de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Uma oração à vida no 6º ano de falecimento do Prof. Natalino Ferreira Mendes
Data:24/12/2017 - Hora:10h37
Uma oração à vida no 6º ano de falecimento do Prof. Natalino Ferreira Mendes
Acervo Familia

“Ora (direis), ouvir estrelas”.

Uma oração à vida no 6º ano de falecimento do Prof. Natalino Ferreira Mendes  (*03/01/1924 +23/12/2011)

Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...
E conversamos toda a noite, enquanto
A via láctea, como um pátio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.
Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"
E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.

               

Muitos poetas cantaram o amor pelos céus e pela terra brasileira, pelas velhas árvores, pela pátria e pela língua, como Olavo Bilac, autor dos versos acima. Muitos de nós ouvimos (e declamamos) seus poemas na escola, cantamos a capacidade romântica, reconhecemos seus versos e já nos pegamos em conversas com as estrelas.

Eu sou um desses tresloucados.

Quando, há seis anos, o meu pai deixou este espaço terreno, em 23/12/2011, disse ao meu neto (perdendo o senso) que o seu “bivô” havia se transformado na maior e mais brilhante estrela. Acho que funcionou, pois vez ou outra aponta estrelas, sem se importar com a verruga na ponta do dedo... Mas essa é outra história.

Estrelas sinalizam mistérios ocultos que a linguagem universal do amor se encarrega de decifrá-los, como fala Bilac. A morte é um desses mistérios. O sentimento de perda de alguém que amamos muito e, principalmente, dos que se uniram para nos dar a vida, é a dimensão profunda da orfandade. Sabemos da morte como vida renascida, inexorável comprovação da finitude, ou uma forma de olhar/sentir as insignificâncias e a respiração do universo em nós.

Estrelas me trazem memória. Do meu pai, contemplador delas, no silêncio das noites claras, e nas escuras em que as encontrava, quedando-se em êxtase perante o infinito e o efêmero. Trazê-lo à memória, pelas palavras, é acalentar a alma, revigorar o espírito, destravar o que ainda pode ser dito, escrito, pensado.  

No clima de Natal encontro sempre o seu nome: Natalino. Na genealogia, sua raiz: Ferreira Mendes. E sinto o cheiro das circundantes morrarias, do serpenteio do rio lambendo a cidade, do respirar da história gravada nos casarões e monumentos, tudo o que ele procurou reter e expressar/cantar em verso e prosa, compondo a melodia do seu tempo. E tudo isso se mistura num sentimento de celebração: dos mistérios, da vida, da morte, da renovação e do poder divino que nos torna sensíveis aos segredos que exalam do etéreo sistema do universo.

Relembro-o como uma fulgurante luz, a luz renascida no Natal, sempre acesa nos nossos corações e no coração daqueles que virão depois de nós, pois viveu e compreendeu a plenitude do Ser – aquele capaz de ouvir e entender estrelas...!

Que assim seja!

 

 

 

 

 

 




fonte: Olga Maria



anuncie JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
High Society
Curtindo as belezas da cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra as amigas Marinalva Denipotte Manfrin e Fabíola Campos Lucas. Uma ótima estada no País vizinho. Votos de breve recuperação a amiga Suzy Kristina dos Santos, que sofreu uma torção no tornozelo e está de repouso impossibilitada de andar. Estamos na torcida pela seu reestabelecimento. Grande abraço. Nosso Destaque VIP para a competente equipe do Kaskata Flutuante que serve a melhor comida da cidade. Forte abraço a família Natal que está a frente de bem servir os cacerenses e visitantes. Pra hoje fica a dica de saborear aquele delicioso peixe a La Kaskata.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados