Diretora administrativa: Rosane Michels
Terça-feira, 24 de Abril de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Desenvolvimento ao todo
Data:08/12/2017 - Hora:08h41

Como demonstra meu itinerário, morei em cidades que apresentam, relativamente, o mesmo tamanho, entre 90 e 100 mil habitantes, tal como Cáceres (cidade que freqüento periodicamente desde o início de 2017). A diferença é que, no presente momento, Jataí-GO e Vilhena-RO apresentam índices de crescimento mais elevados e imediatos do que Cáceres. Esse crescimento se deve, em grande parte, por ambas serem típicas “cidades do agronegócio”. Ou seja, atraem, por motivos ambientais e políticos, muitos investimentos exógenos. Uma pergunta pertinente a ser feita é: seriam Jataí e Vilhena cidades melhores do que Cáceres por receberem mais investimentos? Creio sinceramente que não. E é por isso que exponho aqui minha opinião. Bom lembrar que não se trata de uma abordagem científica, mas apenas expresso minha opinião como alguém que estuda o tema, e que viveu nesse entremeio de contextos diferentes, com discursos políticos progressistas parecidos.

O que posso afirmar é que as cidades de Jataí e Vilhena apresentam melhor organização, infraestrutura de vias, maiores variedades de serviços e produtos, se comparado a Cáceres. Entretanto, e o que considero mais importante, é que como contradição da injeção de investimentos, o acesso e a qualidade de vida ficam muito mais custosos e com referências históricas propositalmente diluídas durante o processo de crescimento, construídos à base de um ritmo de vida acelerado e alienado. E o que dá vitalidade a minha reflexão direcionada a Cáceres, é que no discurso oficial alguns enunciados deixam evidente a lateralidade do desenvolvimento proposto. Um exemplo importante que deixo no ar para o leito: a Zona de Processamento e Exportação (ZPE) de Cáceres.

O objetivo ao escrever minha opinião, é explicitar que não se deve abraçar determinados discursos com base em índices. Portanto, quando for inevitável determinadas inclusões progressistas feitas pela macropolítica, o que sugiro é que fiquem atentos aos efeitos colaterais não inclusos nos discursos. Cobrem transparência, políticas sociais, igualdade de políticas tributarias, respeito a história e arquitetura urbana e, principalmente, pesem na balança os prós e contras que afetarão a escala LOCAL. ***___Natan G. Nunes (natangnunes@yahoo.com.br) Sobre o autor: Paulistano radicado em Vilhena, estado de Rondônia, formado pela UFG na cidade de Jataí-GO, atualmente morando de maneira parcial em Cáceres, sou mestrando em Geografia. Entre meus assuntos de interesse estão discussões acadêmicas sobre desenvolvimento desigual, regional e local.




fonte: Natan G. Nunes



anuncie aqui JBA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
Multivida
High Society
Curtindo as belezas da cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra as amigas Marinalva Denipotte Manfrin e Fabíola Campos Lucas. Uma ótima estada no País vizinho. Votos de breve recuperação a amiga Suzy Kristina dos Santos, que sofreu uma torção no tornozelo e está de repouso impossibilitada de andar. Estamos na torcida pela seu reestabelecimento. Grande abraço. Nosso Destaque VIP para a competente equipe do Kaskata Flutuante que serve a melhor comida da cidade. Forte abraço a família Natal que está a frente de bem servir os cacerenses e visitantes. Pra hoje fica a dica de saborear aquele delicioso peixe a La Kaskata.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados