Diretora administrativa: Rosane Michels
Terça-feira, 24 de Abril de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Educação por Natureza
Data:06/12/2017 - Hora:07h57

Sempre que caminho pelo centro de Cáceres, (é salutar andar pelo menos meia hora/dia, 15 horas por mês) circunspecta, fico meio revoltada com o que vejo nas calçadas, meio fio e leito carroçável, a maioria empestada de lixo, desde um papel de bala, uma guimba (bituca) de cigarro, sacos e sacolas plásticas, a restos de moveis danificados, jogados a esmo. Só pra exemplificar o dano nefasto de um destes descartes, a guimba, seu tempo de decomposição pode chegar a até cinco anos, principalmente se for jogada no asfalto. Sem contar o fato de que ela contém mais de 4.700 substâncias tóxicas, o que prejudica o solo, contamina rios e córregos e entope tubulações e bueiros. Agora, imagina o leitor, o resto, que sujismundos jogam nas ruas e praças da cidade. E vem aquele critico de botequim que joga bitucas e copo plástico na rua, dizer que a culpa é da escola, que o professor não ensina direito como se deve respeitar o meio ambiente, que a escola virou depósito de alunos, etc. Com certeza este tipo de cidadão (pelo jeito, nada a ver com cidadania) pode até ter filhos, mas não é um pai exemplar e pra tirar o seu da reta, joga a culpa de sua omissão na escola, como se ela fosse uma extensão do seu quarto, sala e até da cozinha, quando cediço é, que a educação vem do berço. Ser pais (e aqui se inclua mãe) é ter a oportunidade e por que não dizer o dever de desempenhar a função do primeiro (a) professor (a) dos seus filhos, durante o tempo em que estiverem juntos, dialogando e observando como a criança está crescendo e moldando a sua personalidade. Já preconiza a pedagogia, que o conceito família é entendido como o grupo humano primário mais importante da vida racional, considerando função familiar como sendo a inter relação e a transformação real que ocorre no seio do lar, através de suas relações ou atividades sociais. Afinal é na família, que a criança passa, (ou deveria passar, claro) a maior parte de sua infância, pois na escola, (complemento educacional) ela vive apenas quatro horas por dia. Na educação familiar, não apenas podemos, mas devemos incluir como extensão, a ambiental, que deve permear as nossas ações no cotidiano quando de nossa relação/contato com uma pessoa, um animal, uma árvore, uma montanha, o ar, a água, um inseto, etc. Aqui, chegamos ao intróito, a questão do descarte, do lixo, a necessidade de sermos espelhos para nossos filhos, em ações e cobranças, mostrando o cuidado que devemos ter com tudo aquilo que produzimos, usamos e descartamos. Que estes cuidados devem ser redobrados para não gerar formas de poluição que possam prejudicar o meio ambiente e amanhã, uma boca de lobo entupida, causar uma inundação, com danos materiais, quiçá na casa do incauto critico que não fez sua parte, dando maus exemplos aos filhos. Muitos podem questionar a falta de tempo, que alguém precisa trabalhar pra bancar as despesas do lar, desculpa injustificada, pois mais vale a qualidade do que a quantidade de tempo com os filhos. Muitos pais que não podem ficar um tempo que consideram suficiente com os filhos, quando ficam, deixam que eles façam tudo o que querem sem disciplina. Esquecem, que para que os filhos tenham conhecimento e comportamento mais adequados extra-lar, é preciso ter disciplina dentro de casa e quem pode e deve através de exemplos e cobranças, sob pena de omissão, somos nós, os pais, a quem a natureza cobra e pune. ***___Rosane Michelis, jornalista, bacharelado em geografia e pós-graduação em turismo.




fonte: Rosane Michelis



anuncie aqui anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
High Society
Curtindo as belezas da cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra as amigas Marinalva Denipotte Manfrin e Fabíola Campos Lucas. Uma ótima estada no País vizinho. Votos de breve recuperação a amiga Suzy Kristina dos Santos, que sofreu uma torção no tornozelo e está de repouso impossibilitada de andar. Estamos na torcida pela seu reestabelecimento. Grande abraço. Nosso Destaque VIP para a competente equipe do Kaskata Flutuante que serve a melhor comida da cidade. Forte abraço a família Natal que está a frente de bem servir os cacerenses e visitantes. Pra hoje fica a dica de saborear aquele delicioso peixe a La Kaskata.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados