Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 23 de Abril de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Semiótica
Data:03/10/2017 - Hora:08h13

Que tipo de escola é essa que forja empresários e líderes políticos autoritários? Essa escola é o Brasil. Aqui se aprende desde cedo a não ter idéias, a não usar a cidadania, a mandar e a obedecer simplesmente, a não respeitar o macacão do operário e a adular o terno e a gravata. Temos uma formação fundada na semiótica, formada no simbólico e submisso do Brasil que começa pelo próprio texto da bandeira do País. Um certo modelo social, econômico, político e cultural que tem marcado o Brasil, começando pelo fato do País ter sido a oitava economia capitalista do mundo e o quarto exportador mundial de produtos agrícolas. Uma economia que chegou perto do primeiro mundo, através de um caminho autoritário, moderno, internacionalizado, e que teve um custo, que hoje se paga: dívida externa de mais de 800 bilhões de reais, milhões de pessoas na miséria absoluta, salário mínimo em torno de 300 dólares, educação e saúde deterioradas, violência urbana, uma economia submersa garantindo de forma perversa a sobrevivência de milhões de pessoas.

É impossível compreender a gravidade da crise brasileira sem um profundo mergulho nas suas origens históricas mais remotas. Segundo, porque o diagnóstico atual não nega a interpretação anterior, mas a pressupõe e a desdobra para contemplar as novidades históricas dos últimos quarenta anos.  Necessita-se enfrentar as causas profundas do subdesenvolvimento, retomando, assim, a bandeira perdida nos anos sessenta. Sem temer a estigmatização que recai sobre aqueles que não se submetem ao asfixiante consenso da modernização (dos padrões de consumo), Celso Furtado defende em linguagem simples e direta a urgência de uma ruptura com a situação de dependência externa - um tabu que poucos, mesmo nos setores mais à esquerda do espectro político, ousam colocar na agenda política do País.

Em meio milênio de história, partindo de uma constelação de Reitorias, de populações indígenas desgarradas; de escravos transplantados de outro continente, de aventureiros europeus e asiáticos em busca de um destino melhor, chegamos a um povo de extraordinária polivalência cultural, um país sem paralelo pela vastidão territorial e homogeneidade lingüística e religiosa. Mas nos falta a experiência de provas cruciais, como as que conheceram outros povos cuja sobrevivência chegou a estar ameaçada. E nos falta, também, um verdadeiro conhecimento de nossas possibilidades, e principalmente de nossas debilidades. Mas não ignoramos que o tempo histórico se acelera, e que a contagem desse tempo se faz contra nós. Trata-se de saber se temos um futuro como nação que conta na construção do devenir humano. Ou se prevalecerão as forças que se empenham em interromper o nosso processo histórico de formação de um Estado-nação.

Muito se descreveu com precisão a estratégia nefasta, na tentativa de destruir psicologicamente os opositores do capitalismo mesquinho, medíocre e autoritário do Brasil. Apanho uma situação limite, mas que é apenas o indicador de uma condição mais ampla, geral e irrestrita, em que procuro colocar os fatos e aqueles que os produzem. Querem que nos convençamos de que o horizonte não existe. E que a noite é eterna. Nós, que cultivamos os livros, desrespeitamos a gramática, subvertendo as palavras, rejeitamos a censura e as normas dogmáticas das cartilhas stalinistas, que adoram o Estado e a ciência. Um novo olhar reconstruindo esperanças e utopias.****___ Rubens Shirassu Jr. é escritor, poeta e pedagogo de Presidente Prudente, São Paulo. Autor, entre outros, de Religar às Origens (ensaios e artigos, 2011) e Sombras da Teia (contos, 2016)




fonte: Rubens Shirassu Jr



anuncie aqui JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Curtindo as belezas da cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra as amigas Marinalva Denipotte Manfrin e Fabíola Campos Lucas. Uma ótima estada no País vizinho. Votos de breve recuperação a amiga Suzy Kristina dos Santos, que sofreu uma torção no tornozelo e está de repouso impossibilitada de andar. Estamos na torcida pela seu reestabelecimento. Grande abraço. Nosso Destaque VIP para a competente equipe do Kaskata Flutuante que serve a melhor comida da cidade. Forte abraço a família Natal que está a frente de bem servir os cacerenses e visitantes. Pra hoje fica a dica de saborear aquele delicioso peixe a La Kaskata.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados