Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 19 de Julho de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Farsa econômica
Data:26/09/2017 - Hora:08h58

Não só políticos vendem ilusões. A turma financeira também anda craque em manipulação. É o que explica o atual descolamento das taxas de juros dos índices de inflação. Oficialmente, a política monetária em vigor desde FHC calibra os juros conforme metas de inflação. Na prática, o sistema virou uma balela. Como os preços caíram demais, o BC está escorando os juros em supostos aumentos futuros. Isto é, em vez de balizar as metas na inflação real, o BC vem usando como referência projeções dos bancos, que por sua vez mantêm suas expectativas artificialmente elevadas para justificar juros mais altos. Hoje, cada 1% de juro na rolagem da dívida nacional drena do setor púbico para o financeiro mais de R$ 30 bilhões/ano, cifra que faz o recheio das malas do Geddel parecer uma gorjeta. O que faria os IGPs explodirem nos próximos meses, crescendo até 400% em relação aos patamares atuais, como prevê o mercado? Nem se imagina. Os IGPs sofrem forte impacto do dólar e preços no atacado, sobretudo os agrícolas ou commodities; são índices influenciados pelo mercado externo e menos sensíveis ao cenário interno. Mas, e daí se as projeções furarem? Os bancos podem ajustar os seus chutes à inflação real, depois de ganharam por uns tempos com os juros inflacionados pelas expectativas infladas. A inflação pelo IPC está em 2,4% no acumulado em 12 meses, mas, para os bancos, o índice fecha 2017 em 3,1%: uma diferença de 0,7 ponto ou de 30% para mais. A farsa das expectativas fica mais clara quando se analisa o IGP da FGV. Apesar da alta neste mês, os três índices do grupo acumulam deflação ou queda de preços: IGP-DI (- 2,6%), IGP-M (-1,5%) e IGP-10 (-2,03%). No entanto, nas projeções dos bancos, esses índices escalam a mais de 4% até o fim de 2018. O que garantiria bons juros.

Vida que segue A manipulação da inflação futura está ficando monótona de tão repetitiva. O governo finge não ver: prefere sancionar falsas expectativas do mercado em vez de trazer a sua meta à realidade. Em junho, em meio à desinflação, o Conselho Monetário Nacional baixou a meta: de 4,5% para 4,25%. Corte de meros 0,25 ponto. E ainda assim, só para 2019. Até parece brincadeira do CMN, dados os fatos da economia: este mês a inflação oficial deve fechar de novo abaixo do piso (3%) da ‘meta’, que já deixou de ser meta. ***Raquel Faria.




fonte: Raquel Faria.



AREEIRA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Nossas felicitações ao educador físico Stevan S. Peres que nesta data comemora mais um ano de existência  e recebe o carinho especial dos familiares e amigos.  Feliz Aniversário com votos de felicidades, realizações, saúde e prosperidades. Que Deus em sua infinita bondade lhe reserve muitos anos de vida. Parabéns!!! Embelezando nossa High Society nesta quarta-feira, Danyelli Aniceto Silva a quem desejamos felicidades pela passagem de mais uma primavera. Felicidades hoje e sempre. Votos de breve recuperação a Erni Pinheiro Saravy, ele que no fim de semana  passou por procedimento cirúrgico. Estimamos sua melhora.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados