Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 18 de Julho de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Rasgando o Art. 7-IV da CF
Data:16/08/2017 - Hora:13h07
Rasgando o Art. 7-IV da CF
Reprodução Web

Ainda faltam mais de 4 meses pro ano pegar sua bengalinha e desaparecer no fim do horizonte e quando achegar a hora, a gente faz o bota fora e diz pra ele, já vai tarde, claro; mas os nossos empregados lá em Brasília, os políticos, em sua maioria, integrando a corja ociosa, egocêntrica, descarada mesmo, já antecipou segundo cálculos da meta, que vai meter o pobre no cacete, que o salário mínimo em 2018 será de R$ 979,00. Grana pra ladrão não contar, porque ladrão que se preza, não rouba mixaria, que é o salário mínimo, um acinte à digna classe trabalhadora. Como justificativa, eles alegam na ponta do lápis, que o reajuste de 4,5% está previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias, a tal LDO, já sancionada pelo governo, quer dizer, não se discute mais, que se virem com a merreca, e quem reclamar, corre o risco de ser processado por desacato à autoridade. Égua,que o trem é se rebolar com R$ 42,00 de reajuste, ou 4,5%/ano, coisa de 50% do rendimento da poupança no período de 12 meses. Pra quem não entende, a tal LDO estabelece metas e prioridades do governo para o próximo ano e orienta a elaboração da lei orçamentária anual, sinal declarado expressamente em números, que o trabalhador continua não sendo prioridade do governo. Na verdade continua sendo um verdadeiro milagre conseguir viver com apenas um salário mínimo. Principalmente quando analisamos os princípios da nossa Constituição Federal: In-verbis: Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

 IV – salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim; Amigos, quando o poder central ignora e passa por cima da lei maior da nação, quase nada a gente pode esperar, nem vamos ao extremo radical segundo eles, das contas do Dieese, que diz ser o salário mínimo ideal para sustentar uma família de quatro pessoas, algo em torno de R$ 3.658,00, quase 4 vezes o valor que o assalariado recebe hoje. Agora o amigo faça uma comparação ao seu salário mensal de R$ 937,00 com o dos deputados federais, que discutem com o executivo, os bererés do Zé Povinho. Pois bem, cada deputado federal recebe um salário bruto de R$ 33,7 mil; auxílio-moradia e imóvel funcional, R$ 3,8 mil; cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (passagens aéreas, serviços postais, manutenção de escritórios de apoio à atividade parlamentar, hospedagem, combustível, contratação de serviços de segurança e consultoria, entre outros, entre R$ 30 mil e R$ 45 mil; verba destinada à contratação de pessoal, R$ 97 mil mensais, destinados à contratação de até 25 secretários parlamentares, cuja lotação pode ser no gabinete ou no estado de origem do deputado, que tem direito a ressarcimento integral das despesas hospitalares relativas à internação em qualquer hospital do país, caso não seja possível atendimento no serviço médico da Câmara e gastos com mudança mais R$ 33,7 mil reais, um no início e outro no fim do mandato, para realizar mudanças. Concluindo segundo dados da Organização não Governamental Contas Abertas, o Legislativo custa hoje ao povo, R$ 1. milhão e 16 mil por hora. Levantamento do portal Congresso em Foco mostra que um deputado federal dispõe de R$ 168.600,00 mil por mês entre salário e benefícios, e quem realmente trabalha e banca estes bilhões por ano aos tais, é o assalariado de R$ 937,00 que vai ter um aumento, Oh, Deus, de R$ 42,00 em 2018!   




fonte: Da Redação



JBA AREEIRA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Com eficiência ímpar, as funcionárias da Biblioteca Municipal de Cáceres, Carla Kruger e Divina Aparecida Santos Conchev, estão sempre buscando divulgar com dinâmica e eficiência aos frequentadores da casa de cultura da Rua Padre Casimiro, as atividades lúdicas do estabelecimento, voltado à salutar pratica da leitura e pesquisas.  Registramos marcando mais um golaço no placar da vida Wellyngton Maciel, que recebe os abraços calorosos da companheira Darlene, da mãe Isabel, do filhão Samuel e do rol de amigos.  Que essa data se reproduza por muitos anos, sendo festejada com saúde e felicidades são os nossos votos.  Ilustrando a página hoje, a simpática professora Elaine Glerian, do corpo docente da Escola Estadual Onze de Março, (antiga Ceom) na disciplina de química, articuladora do Projeto Parlamento Jovem no estabelecimento de ensino de Cáceres, que teve este ano um aluno selecionado.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados