Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 16 de Agosto de 2017
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Arcamos com a incompetência do governo
Data:11/08/2017 - Hora:07h45

Em duas semanas os preços dos combustíveis aumentaram duas vezes. Será que não havia uma frase menos corriqueira e sacal para iniciar um artigo? Pelo andar da carruagem de rodas quadradas não.

Enquanto o governo federal na ânsia de elevar a arrecadação, luta com todas as forças para derrubar as liminares que impede o aumento do PIS e Cofins sobre os combustíveis, as grandes empresas – e pequenas também – deixam de pagar cifras estratosféricas destas duas contribuições. O Decreto nº 9.101/2017, publicado dia 20 de julho que eleva as alíquotas do PIS e Cofins visa aumentar a arrecadação para com isso amenizar o tão falado déficit fiscal. Os efeitos do Decreto já foram suspensos liminarmente três vezes pela Justiça Federal, sendo a última liminar concedida dia 04 de agosto.

No entanto, o governo agiu mais do que rápido, afinal de contas é mais dinheiro fácil para o seu bolso furado e através da Advocacia Geral da União suspendeu todas as liminares. Consequência disso, anúncio de novo aumento dos preços dos combustíveis, o segundo em duas semanas. Toda esta agilidade deveria ser empregada para reaver os trilhões de reais sonegados pelas empresas devedoras desses dois tributos. Segundo dados da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, o débito referente ao PIS e Cofins dessas empresas com a União, somavam R$ 1,8 trilhão no ano passado.

Devemos ter em mente que se recebido, este volume de dinheiro seria quem sabe suficiente para fechar o rombo das contas públicas. Mas muito mais do que isso. O governo deixando de arrecadar faz sangrar a Previdência, a assistência social e a Saúde, pois programas como o SUS deixam de ser financiado levando com isso ao estrangulamento do Sistema Único de Saúde, ao fechamento de hospitais, a morte de pessoas. No último levantamento realizado pela PGFN os vinte maiores devedores do PIS e Cofins acumulavam dívida de R$ 25,4 bilhões. Entre as gigantes devedoras estão desde empresas falidas como Varig e Vasp, campeãs do consumo a exemplo da Ambev e Walmart e Telexfree empresa acusada de montar esquema Ponzi.

Ao invés de cobrar energicamente todas essas empresas, o governo covardemente acena para elevação de alíquotas de tributos, talvez por ser mais fácil, haja vista possuir maioria no congresso nacional, mesmo que as custas de muito dinheiro.

O Ministério da Fazenda ventila a criação de nova alíquota de Imposto de Renda. Hoje, a tarifa mais alta cobrada das pessoas físicas é de 27,5%. A nova faixa seria de 35%. Se aprovado mais este assalto, os cofres em 2018 estarão transbordando. Enquanto as empresas devedoras transbordam de felicidade face a incompetência do governo em efetuar as cobranças. Há quem diga que tudo isso (incompetência na cobrança dos trilhões), não passa de uma estratégia irresponsável para alimentar a tese do déficit da Seguridade Social e jogar para a população a ideia de necessidade da reforma da Previdência.

Antes da reforma previdenciária deveria haver a reforma tributária onde pudesse constar que o ICMS não pode compor a base de cálculo para a cobrança do PIS e da Cofins, favorecendo empresas devedoras, entendimento pacificado pelo Supremo Tribunal Federal.

Se realmente o governo estivesse preocupado com a população, usaria a mesma força empregada na cobrança das médias e pequenas empresas para reaver o que tem de direito que está em poder das gigantes.

Mas isso não acontece, e quando acontece cria-se os intermináveis programas de parcelamento de tributos, os famosos Refis, que em muitos casos servem tão somente para beneficiar o mau pagador.

Isso tão é verdade que em recente decisão do Tribunal de Contas da União exarada no acórdão nº 1.295/2017 – Plenário, foi mencionado que no governo vigora a cultura do inadimplemento, em razão da enorme quantidade de programas de refinanciamento da dívida; com redução de juros, multas e encargos, estimulando empresários a deixarem de pagar os tributos na certeza de que o farão com descontos.

Com este panorama, ou seja, a incompetência em cobrar e de jogar para a população os custos dessa irresponsabilidade, o que nos resta é, ao contrário do poder público, sermos mais competentes e diligentes principalmente na hora do voto. ***___Claiton Cavalcante, Contador, especialista em Contabilidade Pública e Controladoria Governamental




fonte: Claiton Cavalcante



anuncie aqui LAB. LIDER anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
Felicidades para você Felippe Michelis Santos, pela passagem do seu aniversário. Que possa ter muitos anos de vida abençoados e felizes, e que este novo ano seja  de harmonia, paz e desejos realizados. Que seu caminhar seja sempre premiado com a presença de Deus, guiando seus passos e intuindo suas decisões, para que suas conquistas e vitórias, sejam constantes em seus dias. Feliz Aniversário! Passeando em nossa Princesinha do Paraguai a médica veterinária Marcela Marques, que veio de Brasília visitar o maridão Leonardo Ribeiro e aproveitar a semana para rever os amigos curtindo as belezas da cidade. O casal já está em contagem regressiva para a mudança. Grande abraço e que logo possam estar juntinhos curtindo o amor que os uniu. Flores multicoloridas a aniversariante do dia Cristina Cappi Aguiar Rodrigues. Que essa data se repita por longos anos sendo sempre comemorada com saúde e amor, são os nossos desejos.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados