Diretora administrativa: Rosane Michels
Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
Capacitação profissional e informação são desafios para combater a tuberculose
Data:24/06/2017 - Hora:08h53
Capacitação profissional e informação são desafios para combater a tuberculose
Ronaldo Mazza-ALMT

Problema de saúde pública desde o final do século de XIX, a tuberculose pulmonar é uma doença infectocontagiosa que atinge e mata a população. Em Mato Grosso, 1.204 mil novos casos foram identificados em 2016, sendo quase a metade na Baixada Cuiabana. No Brasil, foram 69 mil novos casos nesse mesmo ano e 4,5 mil óbitos em decorrência da doença. A reversão dessa situação passa pela ampliação e melhoramento dos trabalhos das equipes de atendimento básico de saúde e educação para prevenção e tratamento da doença e promoção da saúde.

Estes foram os principais apontamentos levantados durante a audiência pública sobre os desafios da tuberculose realizada na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) nesta quinta-feira (22), a pedido do deputado Dr. Leonardo (PSD). O evento reuniu representantes das secretarias de saúde do Estado, de municípios, da saúde indígena e da saúde no sistema prisional, para debater os trabalhos realizados e medidas que podem contribuir para a redução da doença.

A tuberculose é contagiosa, mas a transmissão da doença é contida assim que o paciente diagnosticado inicia o tratamento. Mas um dos grandes problemas, explica o médico pneumologista do Centro Estadual de Referência de Média e Alta Complexidade (Cermac), doutor Carlos Garcia, é que muitos pacientes abandonam o tratamento antes do término.

“Por ser um tratamento longo, muitas pessoas não fazem ou não dão continuidade. Isso torna a doença mais resistente e ainda aumenta a possibilidade de contágio de outras pessoas”, explica o médico Carlo Garcia.

Por isso, a técnica responsável pelo agravo no serviço de vigilância epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde, Lúcia Dias, destaca a importância da presença dos profissionais de diferentes áreas com os pacientes e com a população de forma em geral. Outro ponto levantado pela técnica é com relação à capacitação dessas equipes multidisciplinares para o diagnóstico precoce.

“O problema está em pensar na tuberculose, porque os sintomas se confundem com de uma gripe ou resfriado. É preciso pedir o exame específico para o diagnóstico da doença e início imediato do tratamento, que inclui o acolhimento do paciente à unidade de saúde para evitar a evasão. Atualmente o paciente é que chega até a unidade de saúde, não há a identificação por parte dos representantes das unidades básicas de saúde e precisamos inverter isso. Intensificar a presença dos profissionais na comunidade para acompanhar os potenciais pacientes”, propõe Lucia Dias.

O deputado Dr. Leonardo defende a capacitação dos profissionais de saúde para que possam trabalhar na identificação e tratamento. “As pessoas que atuam na área da saúde precisam passam por treinamentos constantemente e faltam políticas públicas para isso. Isso sem falar que por ser uma doença marginalizada, não desperta o interesse de laboratórios e pesquisadores para o desenvolvimento de drogas mais modernas e eficazes no tratamento”.

A representante da Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá, Simone Gutierrez, defende a bandeira da comunicação e da educação para conscientização tanto dos profissionais, quanto da população, para que prestem atenção aos sintomas e à importância do tratamento. “Precisamos focar na tuberculose como um problema de saúde pública. Fazer campanhas, falar sobre a doença para que ela se torne pauta. Só assim vamos conseguir divulgar esse problema gravíssimo e informar a população”.

Mas não é só a comunidade urbana que é atingida pelo problema. O diretor da Secretaria Especial de Saúde Indígena, Ercio Lins, explica que a tuberculose foi levada pelos não índios para as aldeias e que hoje é um problema grave, principalmente pela dificuldade de acesso e logística para tratar os indígenas.

Outra população que também é atingida pelo problema é a carcerária. A dificuldade de acompanhamento do tratamento dificulta o controle e as pessoas privadas de liberdades infectadas acabam contaminando aqueles que não estão presos com quem mantém contato. Assim, além de ser um problema dentro do sistema penitenciário, é também um foco para contágio de pessoas livres que têm vínculo com essa população.

Sintomas da doença:

• Tosse por mais de três semanas;

• Emagrecimento;

• Febre no fim do dia;

• Cansaço.

Projetos de Lei - Tramitam na Assembleia Legislativa de Mato Grosso algumas propostas para implantação de programas de prevenção à tuberculose no Estado. Veja alguns deles:

PL 487/2016 – Deputado Mauro Savi

PL 217/2015 – Deputado Dr. Leonardo

PL 344/2015 – Deputado Dr. Leonardo

PL 653/2015 – Deputada Janaina Riva




fonte: Laís Costa Marques



AREEIRA anuncie JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
Em ritmo de festa celebrou 70 anos de vida, muito bem vividos, a nossa querida amiga Alzira que ao lado do esposo Ibraim e filhos receberam o rol dos amigos para o tradicional Parabéns. Que Deus lhe conceda muitos anos recheados de saúde, amor e realizações. Felicidades mil!!! Na foto com o marido e os amigos Adilson Michelis e  Eva Macedo. Felicidades para você Karla Cristina, por este dia tão especial que é o seu aniversário. Parabéns! Que você possa ter muitos anos de vida, abençoados, felizes, e que estes dias futuros sejam todos de harmonia, paz e desejos realizados. Que seu coração, esteja sempre em festa, porque você é um ser de luz e especial para muitas pessoas. Feliz aniversário! Comemorando vinda de Antonella o casal Diego Vaz e Grasiele Constantino, que já sonham com o mundo rosa. Que Deus ilumine essa gestação e que Antonella veia cheia de saúde. Parabéns aos futuros papais  de menina.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados