Diretora administrativa: Rosane Michels
Segunda-feira, 23 de Abril de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
WhatsApp contribui para adoção tardia de um menino em Cáceres
Data:31/05/2017 - Hora:07h48
WhatsApp contribui para adoção tardia de um menino em Cáceres
Divulgação

Filho biológico de um pai assassinado e de uma mãe que, além de agressiva, era dependente química, Paulinho* conheceu desde muito cedo as mazelas de viver em uma família desestruturada.

Paulinho e quatro irmãs mais novas foram encaminhados para uma instituição de acolhimento em Cáceres, no ano de 2013. O garoto viu, ano após ano, todas elas serem adotadas e as suas chances de ter o mesmo destino diminuírem cada vez mais.

Contudo, graças ao envolvimento de integrantes de um grupo de WhatsApp chamado ‘Cegonhas da Adoção’, o menino pôde realizar o sonho de ter uma família e uma vida feliz. Paulinho foi adotado em 27 de abril de 2017, com 11 anos de idade, por um casal homoafetivo de professores universitários de Curitiba (PR). A adoção tardia foi resultado do esforço conjunto entre as comarcas dos dois estados, especialmente do trabalho intenso da juíza Alethea Assunção Santos, da 1ª Vara Cível de Cáceres, e da equipe multidisciplinar formada pela psicóloga Débora Matte e pela assistente social Kelly Novack.

Em carta, os pais descreveram a jornada iniciada em abril de 2016, quando decidiram realizar o sonho de serem pais. No princípio, o perfil desejado era de um menino de 3 a 6 anos, podendo ter um irmão ou irmã de até 10 anos de idade. Na mente do casal, permeavam preocupações como, por exemplo, o fato do garoto ter dois pais, o preconceito e os desafios que ele enfrentaria. Felizmente, tudo foi superado com a ajuda de diversos grupos de apoio - presenciais e via redes sociais. E foi exatamente pela internet que os dois conheceram as iniciativas “Busca Ativa” e “Cegonhas”.

Eles chegaram até a juíza Mônica Labuto, da 3ª Vara da Infância e da Juventude da comarca do Rio de Janeiro e participante do grupo de WhatsApp “Cegonhas”, criado por voluntários e profissionais do Judiciário com o intuito de facilitar o encontro de adotantes e crianças de difícil colocação em famílias substitutas. A partir daí, o sonho começava a se tornar possível. “Passados alguns dias, doutora Mônica nos enviou mensagem falando que uma juíza em Mato Grosso - doutora Alethea Assunção Santos - tinha um menino aguardando adoção. Era um menino adorável, meigo e estudioso, um bom garoto. Disse-nos apenas que os outros irmãos dele tinham sido adotados, mas ele continuava acolhido”, relataram.

Segundo a equipe responsável pela aproximação de vínculo, diante do interesse do casal paranaense, a situação foi explicada ao Paulinho, que se mostrou bastante receptivo. Os primeiros contatos entre o garoto e os pais foram feitos por videochamadas ao longo de 17 dias, até que puderam se conhecer pessoalmente em 24 de abril. “Foi um desafio muito grande para a equipe, pois nunca havíamos feito na comarca uma adoção interestadual. Tínhamos muitas dúvidas de como agir, mas graças ao nosso instinto e profissionalismo conseguimos com êxito dar um lar à criança”, afirmou Débora Matte.

De acordo com a a psicóloga, a adoção tardia tem se mostrado uma barreira à esperança de milhares de crianças de encontrar uma família. “Finais felizes” como o do Paulinho são cada vez mais raros. Hoje, o menino está perfeitamente adaptado ao novo lar e à nova família. A felicidade faz parte dos dias do garoto, que retomou os estudos e agora tem a perspectiva de um futuro promissor. Para os pais, embora estejam contentes pela realização de um sonho, o que os motivou a tomar essa importante decisão não foi a nobreza do gesto e sim o amor. “Não foi uma conquista. Não é caridade! É o amor transbordando em sua forma mais plena”, comemoraram.

 *Nome fictício para preservar a identidade do menor.




fonte: Assessoria CGJ-MT



JBA anuncie aqui anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
High Society
Curtindo as belezas da cidade boliviana de Santa Cruz de La Sierra as amigas Marinalva Denipotte Manfrin e Fabíola Campos Lucas. Uma ótima estada no País vizinho. Votos de breve recuperação a amiga Suzy Kristina dos Santos, que sofreu uma torção no tornozelo e está de repouso impossibilitada de andar. Estamos na torcida pela seu reestabelecimento. Grande abraço. Nosso Destaque VIP para a competente equipe do Kaskata Flutuante que serve a melhor comida da cidade. Forte abraço a família Natal que está a frente de bem servir os cacerenses e visitantes. Pra hoje fica a dica de saborear aquele delicioso peixe a La Kaskata.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados