Diretora administrativa: Rosane Michels
Quinta-feira, 26 de Abril de 2018
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
JUBA
3ª Guerra Mundial: uma questão de mercado
Data:21/04/2017 - Hora:09h18

Após o ataque dos Estados Unidos à Síria e, agora, com o deslocamento de um efetivo da Marinha americana para a região da Coreia do Norte, aguça-se o medo de uma parte da população de uma possível grande guerra mundial.

Esqueça. Essa é uma guerra que dificilmente terá uma nova edição.

Primeiro, porque as guerras mundiais anteriores aconteceram para conquistar recursos que, hoje, são facilmente negociados entre os países via OMC. A guerra mundial se tornou comercial.

Segundo, porque o próprio mercado bélico sabe que uma 3ª Guerra Mundial seria a última e, para eles, esse não é o objetivo.

Sim, por mais desumano que possa parecer, existe uma indústria bélica preocupada em abrir e manter novos mercados para seus produtos. E, para isso, são montados os “teatros de guerra”.

Após a Segunda Guerra Mundial, a indústria bélica cresceu e manteve-se com a Guerra Fria. Tanto as indústrias americanas quanto as soviéticas venderam armas para todas as nações do mundo. Até o Brasil teve seus momentos nesse mercado fornecendo equipamentos para o Iraque na década de 1980. Já, durante a Guerra Fria, novos teatros de guerra – menores e de cunho ideológico – foram montados para testar novas descobertas e manter o clima de dualidade. Coreia, Vietnã e Afeganistão, dos anos 1950 aos anos 1980, foram palco de testes de novas armas e medicamentos – e sustentaram o segmento.

Mas, com a queda da União Soviética, em 1991, os teatros de guerra formados apenas por ideologia política perderam força. De um lado, o mercado bélico americano viu seus estoques sem demanda e, na Rússia, um arsenal enorme passou para a mão dos “novos capitalistas” do país, originais dos quartéis e soviets de alta patente. Era preciso, então, criar novos mercados.

Assim, desde 1991, os novos teatros de guerra deixaram de ser ideológicos e passaram a ser étnico-religiosos, apoiados e catalisados pelas agências secretas (CIA e KGB) – que, de certa forma, tiveram que mudar sua essência de atuação face à nova realidade. A primeira transição entre teatros ideológicos para étnico-religiosos começou com a operação Tempestade no Deserto, em 1991, com a invasão no Iraque para tentar depor Saddam Hussein – que até então era somente um ditador opressor dos curdos. Depois, vieram Bósnia e Herzegovina e Somália – respectivamente de 1992 a 1995 e de 1991 a 1994. De 1996 a 2000, a segunda fase da guerra civil afegã; de 1991 até hoje, vários conflitos em países africanos.

Em 2001, após o ataque de 11 de setembro, os palcos de guerra deslocaram-se para o Afeganistão e, posteriormente, até o Iraque. Em 2010, os Estados Unidos mantiveram a ocupação, mas começaram a diminuir o efetivo nos dois países, com possível redução de demanda.

Em 2011, eclode o movimento Primavera Árabe, envolvendo Tunísia, Egito, Líbia e Síria. A “população” derruba os ditadores Zine El Abidine, Mubarak e Gaddafi. Na Síria, inicia-se uma guerra civil para derrubar Bashar Al-Assad.

Em 2013, como gasolina jogada no fogo, surge o Estado Islâmico, atuando na Síria e no Iraque – impondo a necessidade de mais estoque bélico.

Então, se analisarmos cronologicamente, percebemos que sempre quando se baixa a demanda por material bélico, novos teatros são formados. Novos mercados são “abertos”.

Agora, ao que parece, com o esgotamento financeiro e enfraquecimento do EI – que tinha uma atuação forte na Síria e Iraque – e sem um grupo de conflito étnico-religioso organizado como foi o Al-Qaeda, a indústria bélica, patrocinadora dos presidentes Trump, Putin e Jinping, tende a apostar em um novo acirramento ideológico para nova demanda de estoques, deixando o varejo de batalha (rifles, projéteis e pequenos mísseis) e partindo para uma venda mais atacadista, de maior tecnologia embarcada e com melhor rentabilidade por custo unitário. Prova disso foi a antecipação do teste de míssil russo Zircon, que alcança 7.400km/h, e o uso recente da MOAB GBU-34 no Afeganistão – fatos que devem acelerar a corrida armamentista no planeta.

Ou seja, o conflito na Síria deve estender-se por não mais de um ano – com a deposição de Bashar Al-Assad até novembro –, com uma possível ocupação conjunta dos Estados Unidos e Rússia, e a “reconstrução” desse país nos próximos anos, até que se “ecloda” um novo movimento de guerra. Uma possibilidade forte é a junção do Estado Islâmico com o Talibã no Afeganistão, concentrando o palco nesse país.

Então, por enquanto, a Coreia do Norte – dependente integralmente da China – tende a ser, por um bom tempo, o ponto de atenção, ebulição e até de acordo entre as novas potências. Mas, dificilmente, será o estopim de uma nova guerra mundial.

Afinal, quem lucraria com o fim do planeta?

 

Frederico Parma é publicitário




fonte: Frederico Parma é publicitário



AREEIRA anuncie
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
High Society
Hoje o dia é dela e as flores também são endereçadas a você Ariane Silva pela passagem do seu natalício. Que Deus lhe conceda muitas graças nesse novo ano e que você continue essa mulher guerreira e maravilhosa que é. Parabéns, muita saúde, paz e amor.  O parabéns de hoje também a encantadora Eliane Campos. Que a felicidade seja sua companheira nesses anos vindouros. Feliz Aniversário! Marcou mais um golaço no placar da vida Stanley Paesano que na oportunidade recebeu os parabéns dos amigos e familiares. Que essa data se reproduza por muitos e muitos anos são os nossos votos. Felicidades Mil!!!
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados