Diretora administrativa: Rosane Michels
Sábado, 24 de Junho de 2017
Pagina inicial Utimas notícias Expediente High Society Galeria Fale conosco
CANOPUS
Dólar opera em queda e chega a R$ 3,11, após votações no Congresso
Data:11/08/2016 - Hora:10h26

O dólar opera em queda nesta quarta-feira (10), em linha com o exterior, com a queda nos preços do petróleo e após o Senado aprovar o relatório da Comissão Especial do Impeachment que recomenda que a presidente afastada Dilma Rousseff seja levada a julgamento pela Casa. A queda era limitada por preocupações depois da aprovação na Câmara do texto principal do projeto de lei sobre a renegociação das dívidas estaduais.

Às 16h20, a moeda norte-americana caía 0,59%, vendida a R$ 3,1226. Mais cedo, chegou à marca de R$ 3,11. Veja a cotação do dólar hoje.

Acompanhe a cotação ao longo do dia:
Às 9h09, queda de 0,63%, a R$ 3,1213
Às 9h39, queda de 0,77%, a R$ 3,1168
Às 9h49, queda de 0,44%, a R$ 3,1273
Às 10h39, queda de 0,44%, a R$ 3,1274
Às 11h20, queda de 0,26%, a R$ 3,1328
Às 12h10, queda de 0,2%, a R$ 3,1347
Às 12h59, queda de 0,36%, a R$ 3,1296
Às 14h40, queda de 0,38%, a R$ 3,1290
Às 15h25, queda de 0,52%, a R$ 3,1246
Às 16h, queda de 0,58%, a R$ 3,1227


A moeda norte-americana chegou a R$ 3,1132 na mínima da sessão, o menor nível intradia desde 14 de julho de 2015 (R$ 3,1114), segundo a Reuters.

O dólar recuou nas últimas seis sessões, acumulando queda de 4% frente ao real.

Cenário externo
"A queda do petróleo apagou um pouco a euforia da manhã. Sempre que há um movimento unidirecional no dólar, como nos últimos dias, há espaço para alguma consolidação (das cotações)", disse o estrategista de um banco internacional à Reuters, sob condição de anonimato.

Após chegarem a subir mais cedo, os preços do petróleo passaram a recuar quase 2% nesta quarta-feira após surpreendente aumento nos estoques da commodity nos EUA.

O movimento tirou força do apetite por risco nos mercados internacionais, levando o dólar a reduzir as perdas em relação às principais moedas emergentes.

A demanda por ativos de alto risco nos mercados globais tem permanecido forte e ganhou mais impulso na sexta-feira passada, quando dados mais fortes que o esperado sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos alimentaram otimismo sobre a recuperação econômica global.

Desde então, outros indicadores econômicos em países como EUA e China vêm sustentando o bom humor e a percepção de que, mesmo com o ritmo atual de recuperação econômica, os juros norte-americanos não devem subir tão cedo.

"O dólar não para de cair em todo o mundo e o Brasil não é exceção", resumiu à Reuters o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

Política continua sob as atenções
Pela manhã, contribuiu para o tom positivo no Brasil a aprovação do parecer pela continuidade do processo de impeachment de Dilma.

A perspectiva de que o impeachment seja confirmado em julgamento no fim deste mês tem animado investidores, que vêm recebendo bem as promessas de contenção de gastos do presidente interino Michel Temer.

Alguns, no entanto, preocupam-se com os recentes recuos do governo em relação ao ajuste fiscal, como a retirada do bloqueio a reajustes salariais ao funcionalismo público estadual em troca da renegociação da dívida dos Estados.

Ainda predomina a leitura de que o governo só terá margem de manobra suficiente para encabeçar os esforços fiscais no Congresso Nacional quando o impeachment for confirmado, no que analistas da corretora Lerosa Investimentos descreveram como uma "atitude mais pró-ativa".

"Com isso, o fluxo está garantido e as cotações podem sim romper os patamares de R$ 3,10 no curto prazo", escreveram eles em nota a clientes.

Dados do Banco Central mostram, porém, que o Brasil tem apresentado saídas líquidas de divisas, com fluxo negativo de US$ 2,251 bilhões só na semana passada, concentrado na conta financeira. Muitos operadores acreditam que essa tendência deve mudar após a votação do impeachment.

Intervenção do BC
Nesta manhã, o Banco Central brasileiro vendeu novamente a oferta total de até 10 mil swaps reversos, que equivalem à compra futura de dólares. Na véspera, o BC vendeu novamente a oferta total de até 10 mil swaps reversos, que servem para minimizar a queda da moeda no mercado.

Último fechamento
Na terça-feira (9), o dólar caiu 0,83%, a R$ 3,1411. Foi o menor patamar desde 15 de julho de 2015, quando o dólar foi cotado a R$ 3,1360 no fechamento, segundo a Reuters.

No mês de agosto, a moeda dos EUA acumula queda de 3,1%. No ano, o dólar tem variação negativa de 20,4%.




fonte: Do G1, em São Paulo



anuncie aqui LAB. LIDER JBA
»     COMENTÁRIOS


»     Comentar


Nome
Email (seu email não será exposto)
Cidade
 
(Máximo 1200 caracteres)
Codigo
 
Publidicade
zoom
Multivida
High Society
Trocou de idade essa semana, a gatíssima Kalyssa, que na oportunidade recebeu o carinho especial da mãe Karla, das irmãs e amigos que cantaram o tradicional Parabéns. Que Deus derrame infinitas bênçãos em sua vida. Curtindo merecido descanso pelas praia de Natal a nossa querida amiga Daici Forgiarini Bastos, a quem desejamos uma ótima estadia. Aproveite ao máximo esses dias.  Nossos parabéns a Viviane Muniz que ontem colheu mais uma rosa no jardim de sua existência. Felicidades e muitos anos de vida é o que lhes desejamos. Na foto ao lado do filho.
Ultimas norícias
Exediente
Versão impressa
High Society
Fale conosco
VARIEDADES
POLÍTICA
POLÍCIA
OPINIÃO
ESPORTES
EDITORIAL
ECONOMIA
CIDADE
ARTIGO
Jornal Correio Cacerense 2015
Copyright © Todos direitos reservados